Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Festa e alívio em Salvador: Brasil avança jogando bem

Com quatro atacantes e empurrada pela torcida baiana, seleção desencantou contra a Dinamarca e chegou às quartas da Rio-2016

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 11 ago 2016, 15h27 - Publicado em 10 ago 2016, 23h52

A seleção brasileira espantou a crise na Olimpíada do Rio de Janeiro com uma festa tipicamente baiana. Empurrado pela torcida na Arena Fonte Nova, em Salvador, o Brasil jogou bem e venceu a Dinamarca por 4 a 0, com gols de Gabriel Barbosa (dois), Gabriel Jesus e Luan. O capitão Neymar segue sem marcar, mas demonstrou melhor forma e foi bastante aplaudido pelos fãs. A goleada aliviou o ambiente da equipe, que apesar das duas primeiras partidas desastrosas em Brasília, terminou na primeira colocação do Grupo A. Nas quartas de final o time jogará diante da torcida paulista, que costuma ser bem menos tolerante: no próximo sábado, o Brasil encara a Colômbia,  às 22h (de Brasília), no Itaquerão, em São Paulo. Mesmo com a derrota, a Dinamarca também avançou e enfrenta a Nigéria, em Salvador, na próxima fase.

O Brasil entrou extremamente pressionado e com risco de ser eliminado na primeira fase – o que não ocorre desde a Olimpíada de Munique, em 1972, com time que contava com os recém-profissionalizados Falcão e Roberto Dinamite. No entanto, o ambiente na Fonte Nova foi o melhor possível. Muitos torcedores vieram com a camisa de Neymar e o aplaudiram efusivamente na entrada ao gramado. O técnico Rogério Micale, nascido na cidade, também foi bastante celebrado.

LEIA TAMBÉM:
Pé quente, Bahia abraça a seleção – e Neymar
Argentina dá vexame e cai no futebol masculino

Outro baiano em campo, o volante Walace recebeu a incumbência de substituir Thiago Maia, destaque do time nos outros jogos que estava suspenso. E correspondeu à altura, ajudando o ataque com passes precisos e dando sustentação ao time que entrou com quatro atacantes – o também gremista Luan entrou na vaga de Felipe Anderson e se juntou a Neymar, Gabriel Jesus e Gabriel Barbosa.

Sob os olhares do técnico da seleção adulta Tite, o Brasil já iniciou bem o jogo, com Neymar e Luan buscando jogo e atuando como “falsos meias” e Gabriel Jesus mais aberto pela esquerda. Na primeira chance clara, Neymar cobrou falta e Rodrigo Caio apareceu bem na segunda trave, mas goleiro Höjberg defendeu bem. O merecido gol do alívio veio aos 26 minutos. Douglas Santos errou passe, mas se recuperou e cruzou com perfeição na segunda trave, onde Gabigol completou para as redes.

Publicidade

O Brasil seguiu pressionando, sobretudo pelo lado esquerdo, por onde caiam Neymar e Gabriel Jesus. O atacante do Palmeiras chegou a perder duas boas chances, de frente para o goleiro, mas não falhou na terceira. Luan tabelou com Gabriel Barbosa e cruzou na segunda trave para Jesus completar de bate-pronto. O jogador de 19 anos, que havia perdido várias chances nas partidas anteriores, celebrou com raiva o fim do jejum, chutando a bandeirinha de escanteio.

Apesar da desvantagem, a Dinamarca seguiu jogando fechada, apostando nos contra-ataques. Mas não conseguiu parar o Brasil. Logo no início da segunda etapa, Neymar achou Douglas Santos com um belo passe. O lateral do Atlético-MG, muito mais incisivo nesta noite, rolou para trás para Luan fazer o terceiro. Neymar, então, chamou a torcida para si, com dribles e muita iniciativa, e quase marcou em dois chutes de fora da área.

Quem também se redimiu foi Renato Augusto. Bastante vaiado nas partidas contra África do Sul e Iraque, o camisa 5 jogou bem e deixou o campo bastante aplaudido. O Brasil seguiu atacando e chegou ao gol que fechou a festa em nova jogada que começou com Neymar. O capitão encontrou Jesus na ala esquerda e, após cruzamento desviado, Gabriel Barbosa apareceu na área para finalizar.

Publicidade