Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil faz ‘dobradinha’ inédita no Mundial de natação

Felipe Lima (prata) e João Gomes (bronze) subiram ao pódio nos 50 metros peito, em Gwangju, na Coreia do Sul

Felipe Lima e João Gomes Junior alcançaram um feito histórico para a natação brasileira nesta quarta-feira ao conquistar as medalhas de prata e bronze nos 50 metros peito, respectivamente, no Mundial de Esportes Aquáticos, em Gwangju, na Coreia do Sul. Foi a primeira vez que o país registrou uma “dobradinha” no pódio em uma final de Mundial de piscina longa (50 metros).

Lima chegou à frente do compatriota ao registrar o tempo 26s66, contra 26s69 de João Gomes. O campeão mundial foi o britânico Adam Peaty, com o tempo de 26s06, que era o grande favorito. Antes, Peaty vencera a prova dos 100m peito (que ao contrário da de 50m, faz parte do programa olímpico), com direito a recorde mundial na fase eliminatória.

“Fizemos história. Até tínhamos chances reais de levar o primeiro lugar, vínhamos treinando bastante para isso. Estou feliz, graças a Deus deu tudo certo. Vamos focar agora no Pan para tentar sair de lá com uma dobradinha de novo”, afirmou João Gomes, ao canal SporTV, já citando os Jogos Pan-Americanos de Lima, que começam nesta semana.

A dobradinha confirmou os bons resultados que o Brasil vêm obtendo em Mundiais tanto de piscina longa (50 metros) quanto nos de piscina curta (25m). Em Budapeste, há dois anos, João Gomes, de 33 anos, faturou a prata nesta mesma prova. Lima, de 34, foi bronze nos 100m peito no Mundial de Barcelona, em 2013.

Com o resultado obtido nesta quarta, o Brasil chegou a três medalhas na natação neste Mundial, sendo cinco no total. Antes, Nicholas Santos conquistara o bronze nos 50 metros borboleta. Na maratona aquática, em águas abertas, Ana Marcela Cunha faturou dois ouros, nas distâncias de 5km e 25km.

Chierighini e Breno Correia na final

Mais cedo, o Brasil garantiu dois nadadores na final da tradicional prova dos 100 metros: Marcelo Chierighini e Breno Correia. Ambos avançaram ao competirem na última série, ao lado do americano Caeleb Dressel, principal favorito ao título mundial. Ele anotou o melhor tempo das semifinais, com 47s35.

Chierighini veio logo atrás, com 47s76. O brasileiro chegou a virar em primeiro lugar, mas bateu em segundo. Correia, em seu primeiro Mundial, obteve o quarto tempo da série, com 48s33, piorando seu tempo em comparação à eliminatória, quando marcou 48s39. Foi, no total, o oitavo colocado desta fase. Chierighini melhorou sua marca. Antes fizera 47s95. A final está marcada para a manhã desta quinta-feira (horário de Brasília).

Nos 50 metros costas, Etiene Medeiros também se destacou nas semifinais. Ela garantiu a vaga na decisão da medalha ao terminar a disputa com o segundo melhor tempo, com 27s69. Ficou atrás somente da americana Kathleen Baker, com 27s62.

Atual campeã mundial da prova, a brasileira largou mal em sua série, mas fez a diferença na chegada. A seu favor na final, Etiene não terá a concorrência da chinesa Fu Yuanhui, campeã mundial em Kazan, em 2015, e prata em Budapeste, há dois anos. Ela obteve apenas o nono lugar, com 27s84, e ficou fora da final