Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Felipão aponta frequente desfalque e dá aval para Valdivia sair

Por Da Redação 8 set 2011, 08h04

Desde quando o Palmeiras endividou-se em R$ 14 milhões com o Banco Banif para trazê-lo dos Emirados Árabes Unidos há um ano, Valdivia não jogou nem metade das partidas do clube. E Luiz Felipe Scolari lembra que o meia, novamente machucado, quase não deve defender a equipe neste ano. Por isso, não deve impor obstáculos para a negociação do chileno com o futebol do Catar.

‘Dá para pensar em sair’, diz Mago

‘Ele vai demorar um mês para jogar. Se for convocado por sua seleção, vai defendê-la quando terminar sua recuperação, em 7 e 11 de outubro, e depois em mais dois jogos em novembro. Dos 16 jogos [restantes na temporada], vou perdê-lo por uns dez’, enumerou o treinador. ‘O presidente que decide. E ele sabe que conta com o nosso apoio.’

O jornal O Estado de S. Paulo publicou que o Mago assinará nesta quinta-feira um contrato com o Al Saad, que teria convencido a diretoria vende-lo por 8 milhões de euros (cerca de R$ 15 milhões). O próprio jogador teria feito uma alta pedida salarial prontamente aceita pelo clube do Catar – ele já deu a entender que sairia por meio de seu Twitter, nessa quarta-feira.No domingo, o presidente Arnaldo Tirone, que já definiu a volta do Mago como um ‘mau negócio’, confirmou a intenção dos asiáticos em levar o camisa 10, mas assegurou que não concretizaria a transação. Palavras corroboradas pelo vice-presidente de futebol Roberto Frizzo durante a semana, antes da confirmação de que Valdivia será desfalque por um mês devido à lesão muscular.

Entrar em campo tem sido algo raro nesta segunda passagem do chileno pelo Verdão. Ídolo da torcida por seu desempenho entre 2006 e 2008, quando foi o astro do time campeão paulista, o Mago atuou em menos da metade dos compromissos da equipe desde que foi comprado do Al Ain, há um ano.

As palavras de Felipão dão a entender que sua saída está, ao menos, perto de ser selada. O treinador já chegou a se desentender com o atleta, que reclamava e deixava clara sua insatisfação por ser substituído, e demonstra ter se acostumado a montar o time sem o meia, frequentemente fora por contusão ou convocações para a seleção chilena.

Continua após a publicidade
Publicidade