Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Fã de Crespo e Batistuta, Barcos promete ‘estilo argentino’ no Verdão

Por Da Redação 8 fev 2012, 08h43

Reforço aguardado do ataque palmeirense em 2012, Hernán Barcos está disposto a representar de forma digna a imagem dos argentinos de raça e determinação nos campos de futebol. A ideia é reforçar o espírito de luta exigido pelo técnico Luiz Felipe Scolari no Verdão para brigar pelos títulos do Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Sul-americana.

‘Eu posso ir bem ou mal (na parte técnica), mas vou deixar tudo no campo, dar tudo de mim, as pessoas podem ter certeza disso’, decreta o atleta, que assume a camisa 29 do representante de Palestra Itália para manter a ligação com o lendário número 9 – que no Palmeiras pertence a Ricardo Bueno.

Em contrapartida, Barcos está ciente de que será cobrado por eficiência dentro das quatro linhas. Afinal, ele chega com o cartaz de ter marcado 53 gols em 92 apresentações nos últimos dois anos com a camisa da LDU, do Equador. A torcida torce para que seja um centroavante digno das tradições alviverdes.

‘Eu sei da necessidade do Palmeiras em ter um bom atacante. No ano passado, fiz 27 gols, quero superar essa marca’, avisa o centroavante, que apresenta suas credenciais em campo. ‘Eu sou fã de jogadores consagrados como Crespo e Batistuta e ainda procuro ser completo, fazer várias coisas em campo, faço um pouco de tudo’.

A principal preocupação de Barcos, no início da caminhada no país pentacampeão mundial, é alcançar a adaptação ao estilo de jogo do Palmeiras. A boa notícia é que o jogador será bastante explorado nas jogadas aéreas – principalmente nas bolas paradas com Marcos Assunção – para aproveitar seu 1,89m de estatura.

A experiência fora da Argentina é um ponto favorável a Barcos, que completa 28 anos no dia 11 de abril. Além de defender as cores da LDU e do Olmedo, outro representante equatoriano, o argentino passou por agremiações do Paraguai, da antiga Iugoslávia e até da China.

‘Tenho de me adaptar ao jeito de jogar do Palmeiras, não é a mesma coisa que fazia na LDU, vou buscar essa adaptação o mais rápido possível, procurar entender a forma de jogar no Palmeiras’, encerra o jogador, campeão da Recopa Sul-americana e do Campeonato Equatoriano, ambos em 2010.

Continua após a publicidade
Publicidade