Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-lutador búlgaro devolve medalha como protesto

Valentin Yordanov, campeão em Atlanta-1996, quer a volta de lutas nos Jogos

Em protesto contra a decisão do Comitê Olímpico Internacional de excluir as lutas dos Jogos Olímpicos de 2020, o presidente da Confederação Búlgara de Luta, Valentin Yordanov, decidiu devolver ao Comitê Olímpico Internacional (COI) a medalha de ouro que ganhou nos Jogos de Atlanta, em 1996. Em discurso emocionado, Yordanov, também vice-presidente do Comitê Olímpico da Bulgária, disse que fazia isso em protesto contra a decisão anunciada na semana passada. Segundo ele, o ato de solidariedade o une a milhões de praticantes da modalidade que condenam a decisão do COI.

Leia também:

Luta deixa de ser esporte olímpico a partir de 2020

Museu do Índio no Maracanã vai virar Museu Olímpico

Rio-2016 tem indefinição em 5 palcos de modalidades

A luta é um dos esportes mais praticados na Bulgária, e rendeu 16 das 51 medalhas de ouro olímpicas já conquistadas pelo país. Georgi Markov, outro búlgaro campeão, disse que espera um museu lhe devolver sua medalha para que possa também mandá-la de volta ao COI. Já os técnicos Armen Nazaryan e Serafim Barzakov anunciaram que estão começando uma greve de fome que só será encerrada se o COI revogar a decisão.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Yordanov enviou uma carta ao presidente do COI, Jacques Rogge, alegando que a luta é uma parte inseparável do movimento olímpico, lembrando que a modalidade sempre esteve no programa dos Jogos da Era Moderna. O búlgaro também ironizou o belga, dizendo que ele conseguiu unir Estados Unidos, Irã e Rússia numa só causa – os três países já manifestaram repúdio à decisão e pediram que o COI reconsiderasse a saída do esporte do programa olímpico.

(Com Estadão Conteúdo)