Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eto’o e Ribéry criticam seus técnicos, Mourinho e Guardiola

Craques de Chelsea e Bayern expuseram clima ruim com seus treinadores

José Mourinho e Pep Guardiola são dois dos treinadores mais vencedores e respeitados do mundo, mas há jogadores dentro de seus grupos que duvidam da capacidade deles. No mesmo dia, o camaronês Samuel Eto’o, do Chelsea, e o francês Frank Ribéry, do Bayern de Munique, fizeram críticas a seus treinadores. Eto’o foi o mais enfático e, apesar de não citar nomes, se referiu a Mourinho como um “tolo”. Ribéry reclamou da preferência de Guardiola por mudar constantemente a escalação do clube alemão.

Leia também:

Neymar volta a treinar e pode jogar decisão do Espanhol

Liga Europa: nos pênaltis, Sevilha bate Benfica e é campeão

O time dos contestados do Brasil e respeitados na Europa

Segundo o portal African Football, Samuel Eto’o se irritou ao ouvir de um repórter que a Copa de 2014 seria seu último Mundial. O atacante do Chelsea disse estar longe da aposentadoria e relembrou, com mágoa, as insinuações de Mourinho – em abril, o técnico português deu a entender que Eto’o seria mais velho do que consta em seus documentos. “Obrigado por me informar que esta será a minha última Copa do Mundo. Hoje, tenho 33 anos. E não é por causa de um tolo que me chamou de velho que se deve acreditar nisso. E você deveria noticiar que o velhinho foi melhor que os mais novos.”

Eto’o, campeão europeu pelo Barcelona e Inter de Milão, ainda cogitou jogar muito tempo mais. “Vou para essa Copa e para a próxima, quando terei 37 anos. Alguns jogaram até os 42, então posso jogar pelo menos mais duas Copas.” Até hoje, o jogador mais velho a disputar um Mundial foi outro camaronês, Roger Milla, em 1994, aos 42 anos.

Rodízio – Na Alemanha, a entrevista de Frank Ribéry à revista Kicker teve declarações fortes. O francês escancarou seu descontentamento com o rodízio de jogadores promovido por Guardiola nesta temporada. “Às vezes você joga, em outras partidas fica no banco, e em algumas é deixado em casa. Foi uma situação nova para todos os jogadores. Pessoalmente, preciso jogar, preciso de cinco, seis jogos antes de descansar, e não de um.”