Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estrelas do tênis criticam banimento a russos e bielorrussos em Wimbledon

Britânico Andy Murray se uniu às críticas de Djokovic e Nadal à sanção imposta pelo All England Lawn Tennis Club por causa da guerra na Ucrânia

Por Da Redação 1 Maio 2022, 21h38

A decisão do All England Lawn Tennis Club, organizador de Wimbledon, de banir tenistas da Rússia e de Belarus da edição de 2022 do Gram Slam britânico como punição à invasão russa na Ucrânia vem causando controvérsia entre os atletas. Neste domingo, 1º de maio, a estrela local, Andy Murray, campeão em 2013 e 2016, se uniu ao espanhol Rafael Nadal e ao sérvio Novak Djokovic que já haviam tratado a sanção como injusta.

Com a controversa decisão, apoiada pelo governo britânico, dois dos top 10 do mundo entre os homens (Daniil Medvedev e Andrey Rublev) e três entre as top 20 feminino (Aryna Sabalenla, Victoria Azarenka e Anastasia Pavlyuchenkova) estão impedidos de jogar em Wimbledon, que será disputado entre 27 de junho e 10 de julho.

“Não sou a favor de jogadores serem banidos”, disse Murray, na véspera de sua estreia no Aberto de Madri diante do austríaco Dominic Thiem. O ex-número 1 do mundo, porém, não quis tomar partido em relação a guerra. “Acho que não há uma resposta certa. Falei com alguns jogadores russos e ucranianos, me sinto muito mal por eles.  Sinto pelos jogadores que não podem jogar e não apoio um lado ou outro. Vai parecer injusto para eles, mas também conheço algumas das pessoas que trabalham em Wimbledon e sei o quão difícil era a posição em que estavam.”

Número 1 do mundo, Novak Djokovic já havia tratado a proibição como “loucura”. Rafael Nadal foi pelo mesmo caminho. “Acho muito injusto com meus companheiros de tênis russos, meus colegas. Não é culpa deles o que está acontecendo neste momento com a guerra.”

Dentre os diretamente envolvidos, o russo Andrey Rublev disse que a proibição era “completa discriminação” e “ilógica”, enquanto ucraniana Elina Svitolina apoiou a decisão de Wimbledon, mas disse que russos e biolorussos que se manifestassem contra a guerra deveriam ser liberados.

A decisão de Wimbledon ainda deve ser motivo de debates. As associações internacionais (ATP, entre homens, e WTA no feminino) são contrários a decisão e, caso não consigam anular a sanção, podem remover os pontos de Wimbledon da contagem de seus rankings. O próximo Gran Slam da temporada é Roland Garros, em Paris, entre 30 de maio e 13 de junho. Por ora, não houve qualquer punição a atletas russos e bielorrussos por parte da organização francesa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)