Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Entre o deboche e o desânimo, torcida espera fim honroso

Em Brasília, seleção será recebida por estádio lotado, mas dividido – entre quem pretende manifestar o seu apoio e quem veio para reclamar da fatídica semifinal

Que os jogadores e a comissão técnica da seleção brasileira não pensem que a pressão acabou. Mesmo fora da disputa pelo título, a torcida espera uma vitória sobre a Holanda neste sábado, na decisão do terceiro lugar, no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. Entre os torcedores que vieram ao jogo de despedida do Brasil na Copa do Mundo, as opiniões estão divididas: para alguns, é hora de manifestar apoio e gratidão pelo esforço dos atletas; para outros, é momento de cornetar, zombando do desempenho do time na goleada histórica sofrida na semifinal, contra a Alemanha. Muitos chegaram ao estádio com faixas e cartazes que faziam referência aos 7 a 1 do Mineirão – e o técnico Luiz Felipe Scolari, que não descartou a permanência no comando da equipe depois do Mundial, era o alvo preferido. Além de debochar de sua própria desgraça, o torcedor brasileiro esfriou os ânimos neste sábado: se nas partidas anteriores os arredores das arenas em que o Brasil atuava estavam repletos horas antes de cada duelo, em Brasília o público chegou lentamente, sem muita empolgação, mas sempre com a mesma cobrança na ponta da língua: o brasileiro, tenha ou não perdoado a equipe pelo fiasco da última terça, quer uma despedida honrosa, com a medalha de bronze no peito de seus combalidos jogadores.

Leia também:

Entre técnicos das semis, Felipão é o mais próximo de ficar

Ainda abalada, a seleção volta a campo em busca da honra ​

Na despedida, a chance de acertar as contas com a Holanda

No mapa alemão até o Rio, pistas para reconstruir o Brasil