Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em SP, Nadal lamenta as dores – e evita pensar em título

O tenista espanhol afirmou ser 'ilógico' mirar na conquista do Brasil Open

“Passei muito tempo sem vir. Estou contente por estar aqui pela segunda vez e continuar com o processo de recuperação”, disse o espanhol

Ainda que ostente a condição de cabeça de chave número 1 no Brasil Open de tênis, o espanhol Rafael Nadal evita pensar na possibilidade de conquistar o título. De volta ao circuito da ATP depois de um afastamento de sete meses para tentar curar uma lesão no joelho, ele admite que ainda sofre com as dores. “Atualmente, não estou preparado para pensar em título, mas sim em treinar no dia a dia. Como sempre, venho para fazer o melhor possível. Vou treinar duro e espero que as coisas saiam bem. Mas depois de meses sem jogar, é complicado pensar em título, é ilógico”, disse o ex-número 1 do mundo na manhã desta terça-feira, em São Paulo. A estreia de Nadal na chave de simples do torneio está prevista para a quinta-feira. Nesta terça, ele faz sua primeira exibição na cidade no torneio de duplas. Ao lado do argentino David Nalbandian, enfrenta os compatriotas Pablo Andujar e Guillermo Garcia Lopez.

Leia também:

Leia também: Bellucci tenta repetir Kuerten e conquistar o título em casa

Eliminado pelo tcheco Lukas Rosol na segunda rodada de Wimbledon, no final de junho, Nadal precisou se afastar do circuito até a semana passada. Em seu retorno, ele ficou com o vice-campeonato das chaves de simples e duplas no ATP 250 de Viña del Mar. “Passei muito tempo sem competir e estou um pouco cansado depois de uma semana dura no Chile. Mas voltar a jogar me deixa muito empolgado. Tem dias em que meu joelho dói e limita um pouco fisicamente. Tem dias em que está melhor. Nos dias ruins, é complicado, porque o grau de exigência no nível em que jogamos é alto”, admitiu o espanhol. Na decisão da chave de simples do ATP 250 chileno, Nadal perdeu de forma surpreendente para o argentino Horácio Zeballos, então 73º colocado no ranking mundial e sem títulos de primeira linha no currículo. Apesar de ainda sentir dores, o espanhol se diz otimista em relação ao próprio estado físico.

Leia também:

Leia também: Bellucci pode enfrentar Nadal na semifinal do Brasil Open

“Se há um mês 80% dos dias eram ruins, agora são 70%. Dentro de um mês podem ser 50%. Treinei muito pouco nesses meses em que permaneci afastado e preciso de tempo para me readaptar à competição, recuperar a potência e todas as coisas que você perde quando fica sem competir'” explicou. Considerado pela maioria dos especialistas o melhor tenista da história em quadras de saibro, Nadal disputará o Brasil Open – que é jogado exatamente nesse tipo de piso – pela segunda vez na carreira. Na primeira vinda ao Brasil, com 18 anos e apenas uma conquista no currículo, ele venceu o torneio na temporada de 2005, ano em que também ganhou o primeiro de seus sete títulos em Roland Garros, um recorde. “Passei muito tempo sem vir. Estou contente por estar aqui pela segunda vez e continuar com o processo de recuperação. Na semana passada, o público foi fantástico no Chile. Espero seguir aproveitando esse carinho das pessoas no Brasil.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência Gazeta Press)