Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Em nenhum momento Juvenal escalou o time’, diz Leão

Por Bruno Deiro

São Paulo – O técnico Emerson Leão voltou a falar, nesta terça-feira, sobre a situação delicada com a qual passou a conviver no São Paulo depois de ter sido obrigado pela diretoria do clube a barrar o zagueiro Paulo Miranda horas antes do jogo contra a Ponte Preta, na última quarta-feira, em Campinas, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O treinador negou mais uma vez que o presidente Juvenal Juvêncio tenha interferência direta na escalação do time são-paulino, embora admita que foi forçado a não utilizar o defensor, punido pela sua atuação ruim no clássico com o Santos, pela semifinal do Campeonato Paulista.

O comandante são-paulino lembrou que precisa respeitar a hierarquia do clube, mas lembrou que não é obrigado a concordar com todas as decisões tomadas pela diretoria. “Não existe emprego sem que haja um mandatário máximo. E no meu caso é o Juvenal Juvêncio. Ele tomou a decisão de negociar jogadores no início do ano, como o Juan e o Xandão, alguns dos quais que eu queria que ficassem, mas não entendo de finanças. Acatamos a decisão, mas em nenhum momento ele escalou a equipe e nem vai fazer isso, senão nem precisaria pagar um técnico. Ele não escolhe quem vai jogar, pois isso seria desagradável”, ressaltou Leão.

Na última sexta-feira, o treinador chegou a contestar a versão apresentada por Juvenal para explicar o episódio envolvendo Paulo Miranda. O dirigente disse que o técnico concordou com o afastamento de última hora do defensor, mas Leão afirmou que apenas foi comunicado da decisão. Na ocasião, em reunião com a diretoria, o comandante revelou que o zagueiro só deixaria de atuar contra a Ponte se fosse desconvocado do grupo de jogadores relacionados para o duelo. E foi o que acabou ocorrendo com o atleta, que inicialmente atuaria como titular na partida.

Mas, independentemente do fato de Leão garantir que tem autonomia para escalar os jogadores que bem entender, Paulo Miranda treinou entre os reservas do São Paulo na manhã desta terça, em coletivo de preparação para o jogo de volta contra a Ponte Preta, quinta-feira, no Morumbi. Edson Silva, que atuou na equipe que caiu por 1 a 0 diante da Ponte no duelo de ida das oitavas de final, seguiu como substituto do zagueiro entre os titulares.