Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em frases e imagens, a festa do ‘querido Atlético’ de Dilma

Presidente homenageou os heróis do título; confira fotos exclusivas da final

A histórica conquista do Atlético-MG no início da madrugada desta quinta-feira deu início a uma grande festa nas ruas de Belo Horizonte. A comemoração se estendeu a Brasília, onde Dilma Rousseff, torcedora do clube campeão da América, divulgou uma nota oficial celebrando a vitória. A seguir, as frases marcantes da presidente, dos heróis do título e dos vice-campeões do Olímpia:

“O Brasil acordou alvinegro com o título do meu querido Clube Atlético Mineiro, campeão da Libertadores. Parabéns aos jogadores, à comissão técnica e à nossa torcida, que conquistou a admiração de todos os brasileiros. Parabéns não apenas pela vitória. Parabéns por, mesmo diante de um resultado adverso, não desistirem, não esmorecerem e, por isso mesmo, se superarem.”

Dilma Rousseff, presidente e torcedora do clube mineiro (ela morou em Belo Horizonte na infância e adolescência e diz ter frequentado o Mineirão)

“Ela é mais gostosa que mulher!”

Alexandre Kalil, presidente do Atlético, no Twitter, sobre a taça da Libertadores

“Se hoje a gente perde nos pênaltis, volta tudo: que o Atlético é azarado, que eu sou azarado… Não é assim, não é porque eu ganho hoje que sou sortudo. Eu tenho a maior sorte do mundo, de ter a família que eu tenho, o trabalho que eu tenho. A gente nem entende direito o que está acontecendo por causa do calor da emoção.”

Cuca, técnico que conquistou sua primeira Libertadores – e espantou a reputação de azarado

“Era o que faltava para mim. Todos diziam que eu estava acabado. Diziam que éramos um time de renegados. Agora quero ver falarem isso da gente. No momento mais difícil da minha vida, essa torcida me abraçou. É a maior alegria dar este título a eles.”

Ronaldinho Gaúcho, que lembrou dos problemas de saúde da mãe ao falar sobre a conquista

“A emoção é indescritível. Fomos coroados pelo trabalho que desenvolvemos, sério, profissional. Temos que comemorar e soltar esse grito de campeão.”

Victor, goleiro que foi decisivo nos três duelos da reta final da Libertadores

“Realmente é inexplicável. Só sabe da dificuldade quem passou por tudo o que a gente passou desde o ano passado. Eu principalmente, que fui muito criticado, julgado… Não estou dizendo que os atletas não cometem erros fora de campo, mas conseguimos dar a volta por cima.”

, que terminou a campanha como artilheiro da Libertadores

“Passei mal, a pressão baixou, fiquei muito nervoso. A ficha não caiu ainda. É lindo demais o que aconteceu. Eu passei sufoco por não ajudar. Não há nada que se compare com essa conquista. Só a gente sabe o que passou na competição, ouvindo que o time era cavalo paraguaio…”

Richarlyson, que não jogou por estar suspenso

“O que aconteceu agora foi o prêmio por tudo que fizemos nos últimos dois anos e meio. Hoje, o Atlético é um time do mundo, internacionalmente conhecido pelo futebol que joga. É um prêmio também para a torcida, que estava carente de grandes conquistas.”

Eduardo Maluf, diretor de futebol do Atlético e responsável pela montagem do elenco campeão

“Não poderíamos ter perdido tantos gols assim. Isso não pode acontecer numa final. Poderíamos ter liquidado o jogo. Mas somos vice-campeões da América, e com orgulho. A torcida precisa reconhecer o esforço dos nossos jogadores. Eles fizeram o possível para alegrá-la.”

Ever Almeida, técnico do Olimpia

“Chegamos com fé, mas as coisas não aconteceram da forma como esperávamos. Fizemos o que podíamos. É preciso ter sorte nos pênaltis. Mas isso é o futebol. Chegaremos contentes ao Paraguai.”

Miranda, zagueiro do Olimpia

Leia também:

Nos pênaltis, Atlético conquista a sua primeira Libertadores

‘São Victor do Horto’, novo padroeiro do torcedor atleticano

Cuca: o técnico pé-frio agora é o campeão da Libertadores

A redenção de Ronaldinho – agora, herói também no Brasil

Astros ou coadjuvantes: heróis do título inédito do Atlético

Atlético-MG dá ao Brasil a inédita 4ª Libertadores seguida

No Mundial inédito, Atlético terá rival difícil e base mantida