Clique e assine a partir de 8,90/mês

Em casa, Medina treina e relaxa – e aproveita para faturar

Sensação brasileira do surfe disputa torneio nas ondas de Maresias, a poucos metros de sua casa, e fecha novo patrocínio antes de brigar pelo título no Havaí

Por Da Redação - 6 nov 2014, 09h49

“Já estava com saudades, pois estava viajando desde julho. Estou adorando ficar esses dias em casa. Isso dá uma renovada nas energias para ir bem no Havaí”

O surfista Gabriel Medina aproveita o bom momento para curtir a fama e treinar a poucos metros de sua casa, em São Sebastião, no litoral de São Paulo, dias antes de embarcar para o Havaí em busca do inédito título mundial. Desde segunda-feira, ele está disputando o Prime de Maresias, uma etapa da divisão de acesso do WCT, que termina neste domingo. Além de manter o ritmo e aproveitar a proximidade dos amigos e da família, a nova sensação do esporte brasileiro aproveitou a passagem pelo Brasil para faturar ainda mais: nesta semana, fechou acordo com seu 11º patrocinador, a marca sul-coreana de tecnologia Samsung. Com o novo contrato, será comum vê-lo em propagandas na TV, sobretudo se ele conquistar o título do Circuito Mundial. Atualmente, o atleta de 20 anos lidera o ranking do WCT e tem chances reais de ser campeão na última etapa, o Pipeline Masters, no Havaí, em dezembro.

Leia também:

Perto da glória, Medina já gosta de ser o ‘Neymar do surfe’

Slater sofre fratura, mas deve duelar com Medina no Havaí

Continua após a publicidade

Medina não teme deixar título escapar: ‘Não sinto pressão’

Kelly Slater já trata Gabriel Medina como seu principal rival

“Tudo que estou vivendo hoje em dia é muito novo. O surfe sempre foi muito limitado, mas agora tenho essas novas oportunidades: faço comerciais, gravo com celebridades, e isso é maneiro”, disse o surfista, que disse ter se adaptado bem à nova realidade. “Aos poucos vou me acostumando. Estou me sentindo bem nas gravações. Até que estou tranquilo, sem vergonha ou timidez”, garante. Os valores pagos pelas patrocinadoras são mantidos em sigilo, mas de acordo com Cesar Villares, empresário de Medina, a ideia é atrair ainda mais parceiros e elevar o surfista ao patamar dos grandes astros do esporte, como o amigo Neymar. Segundo Villares, além das onze empresas que já têm contrato com Medina, mais duas podem assinar com o atleta – existe a intenção de ligar sua imagem a um banco e a uma companhia aérea. O plano é aproveitar o bom momento, já que o surfista – que era tido como fenômeno quando adolescente – vive sua melhor temporada até agora.

Na atual edição do Circuito Mundial, ele passou a ter atuações mais regulares e venceu competições onde não era favorito, como na Austrália, em Fiji e no Taiti. Com o sucesso surgiram os novos patrocínios, permitindo que ele ajudasse a construir uma casa maior para a família em Maresias. É lá que ele passa seu tempo quando está no Brasil. “Sei as dificuldades que passei e o que a gente vive hoje é um sonho de moleque. Estou levando minha família para as competições, eles estão conhecendo o mundo, e eu estou fazendo o que mais gosto, que é surfar. Estou vivendo meus sonhos.” Medina está na terceira fase da etapa da divisão de acesso em Maresias. Além de servir para o surfista treinar, o campeonato vale para levantar o moral do atleta, sobretudo depois de ter caído na etapa de Portugal e adiado o sonho do título. “Tem sido bom. Tenho visto meus amigos e minha família, estou competindo em casa, numa onda que sempre surfei. Já estava com saudades, pois estava viajando desde julho. Estou adorando ficar esses dias em casa. Isso dá uma renovada nas energias para ir bem no Havaí.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade