Clique e assine a partir de 9,90/mês

Elenco do Cruzeiro reclama de ‘ironia’ do presidente sobre salários atrasados

Por Da Redação - 31 jan 2012, 11h45

Os jogadores do Cruzeiro divulgaram nesta terça-feira uma carta de protesto contra as declarações do presidente Gilvan de Pinho Tavares, que ironizou ao comentar os atrasos de salário no clube. O dirigente chegou a dizer que os atletas ganham uma miséria, e que três ou quatro dias de atraso não fariam falta para os jogadores.

Dizendo estarem ‘indignados’ com a declaração do mandatário, os jogadores se defenderam, alegando nunca terem reclamado publicamente sobre os atrasos, ou que teriam deixado de trabalhar na pré-temporada realizada pela Raposa. Ainda na carta, os atletas afirmar que continuam cumprindo suas obrigações, mas que ‘sendo muito ou pouco, o salário é um direito de todo o trabalhador.

No último dia 19, Gilton Tavares afirmou: ‘Os atletas ganham muito pouco. Essa miséria que eles ganham, faz uma falta danada se atrasar três ou quatro dias para eles’. O pagamento, porém, que foi prometido pelo dirigente ainda não aconteceu, o que colaborou para a manifestação dos jogadores.

A iniciativa teria partido do goleiro Fábio, um dos lideres do grupo e do atacante Wellington Paulista, mas logo recebeu apoio da maioria dos atletas do elenco celeste.

Continua após a publicidade

Veja na íntegra a carta entregue aos jornalistas na Toca da Raposa:

‘Estamos indignados com a declaração irônica do presidente Gilvan de Pinho Tavares sobre o atraso dos salários.

Fomos completamente surpreendidos com a matéria publicada na página do Cruzeiro no globoesporte.com, principalmente porque até o presente momento nenhum atleta do elenco comentou sobre esse assunto publicamente, nem tampouco deixou de realizar os trabalhos propostos pela equipe técnica nesta pré-temporada, muito pelo contrário!

Estamos há mais de 15 dias concentrados, realizando todas as nossas obrigações, focados em nossos objetivos para 2012 e entendemos a complicada situação em que o Clube se encontra.

Continua após a publicidade

Sendo muito ou pouco, o salário é um direito de todo trabalhador. Gostaríamos de deixar claro que independente da nossa insatisfação perante tal declaração, continuaremos cumprindo com nossas obrigações com ou sem quitação de salários na data prometida’.

Publicidade