Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Edinho usava nome do pai em “negócios”

 

Por Da Redação Atualizado em 13 mar 2018, 11h23 - Publicado em 8 jun 2005, 08h00

O ex-goleiro do Santos e filho de Pelé, Edson Cholbi Nascimento, o Edinho, passou a segunda noite no Departamento de Investigações sobre Narcotráfico (Denarc), em São Paulo. Ele foi preso na segunda-feira, em Santos, São Paulo, acusado de envolvimento com o tráfico de drogas. Nesta quarta-feira, a polícia pode transferi-lo para uma unidade prisional na capital paulista. Os advogados do ex-jogador vão tentar o habeas corpus.

Nesta terça-feira, o delegado Ivaney Ayres, diretor do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) da polícia civil de São Paulo, disse que as gravações das escutas telefônicas feitas pela polícia nos últimos meses mostram Edinho conversando com outros envolvidos na quadrilha de Naldinho sobre aplicações financeiras e usando o nome do pai. “Não estamos prendendo inocentes. Edinho falava com outros envolvidos da quadrilha sobre aplicação de dinheiro e usava o nome do pai”, afirmou Cayres. “As gravações mostram negócios entre eles. São oito meses de gravações, temos muitas informações.”

Em seu depoimento, Edinho afirmou que não se lembra das conversas com integrantes da quadrilha porque estava sob efeito de drogas. Para a polícia, as declarações do ex-goleiro não atenuam a acusação. “Vamos fazer tudo o possível para bloquear e seqüestrar os bens dos integrantes da quadrilha” disse Cayres. Em duas revendedoras de Ronaldo Duarte, o Naldinho, considerado o chefe da quadrilha, e amigo pessoal de Edinho, a polícia apreendeu cerca de 200 carros. Para o delegado Ivaney Cayres, foi desmantelada uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas de São Paulo. “Um carregamento que estava para chegar tinha cerca de 800 quilos de cocaína. Isso vindo diretamente da Colômbia”, afirmou.

Pelé – Na tarde desta terça-feira, o ex-jogador Pelé deu entrevista coletiva na qual disse estar profundamente triste com a prisão do filho, o ex-goleiro do Santos, Edinho, e jamais ter percebido qualquer alteração no comportamento que denunciasse uso de droga. Pelé chorou quando o advogado do filho leu bilhete de Edinho, em que dizia ser dependente de maconha e lamentava não ter conseguido se afastar das drogas e das pessoas que as ofereciam em troca de sua companhia (leia texto no quadro cinza).

Continua após a publicidade

Publicidade