Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Edições diárias para tablets e iPhones; leia a edição grátis desta sexta

Já está no ar a edição desta sexta-feira de VEJA PLACAR. Até 14 de julho, segunda seguinte à final, VEJA e PLACAR lançarão edições eletrônicas diárias. Sempre às 7 da manhã, grátis. Elas trarão os resultados, as histórias, os dramas e as glórias das partidas da jornada anterior e um guia completo do que acontecerá ao longo do dia que se inicia.

Leia também:

Siga no Instagram: uma seleção de fotos exclusivas em @vejanoinsta

Seleção defende o choro e se diz pronta para outra decisão

Colômbia quer bater o Brasil com jogo alegre e equilibrado

Sem ‘guerra’ e com Paulinho, Felipão espera Brasil melhor

Os dois duelos do Castelão

Quando Brasil e Colômbia entrarem em campo, todos os olhos estarão focados nos craques Neymar e James Rodríguez. Sentados no banco de reservas, às vezes gritando e gesticulando, os dois senhores de cabelos brancos que treinam as seleções travam também um duelo bastante particular. Aos 65 anos, Luiz Felipe Scolari e José Pekerman, técnicos de Brasil e Colômbia, possuem uma longa carreira no futebol. Caminhos iniciados sem grande destaque com a bola nos pés e que tomaram trajetórias bem diferentes na forma de enxergar o jogo. Enquanto Felipão enveredou pelo pragmatismo e a motivação, Pekerman, argentino de nascimento, é conhecido estudioso de táticas e amante do “toco y me voy”, que valoriza o toque de bola e a velocidade.

Juntos, eles somam quatro títulos mundiais. Felipão comandou a “família Scolari” que ganhou a quinta Copa para o Brasil, em 2002. Sem a alcunha de “pai”, Pekerman levou a garotada argentina a três mundiais Sub-20 (1995, 1997 e 2001). Nos dois primeiros, venceu o Brasil. Em comum, eles têm o trabalho como bombeiro. Em 2001, Scolari foi chamado para evitar um vexame nas eliminatórias. No final de 2011, Pekerman assumiu a Colômbia, que fazia um início apenas regular nas eliminatórias para a Copa deste ano.

COMO FAZER O DOWNLOAD DAS REVISTAS – Para quem já é assinante de VEJA para tablets e iPhone, nada muda. Para os outros, basta baixar o aplicativo de VEJA ou acessar o IBA, a banca digital da Editora Abril.