Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ecclestone volta a criticar mulheres: ‘Não são fisicamente capazes de dirigir na Fórmula 1’

O chefe da Fórmula 1 ainda elogiou Vladimir Putin e Donald Trump em um controverso discurso nesta quarta-feira

O sempre controverso Bernie Ecclestone, principal dirigente da Fórmula 1, voltou a ganhar as manchetes por declarações, no mínimo, questionáveis. Na contramão da luta por igualdade de gêneros, o dirigente inglês de 85 anos voltou a afastar a possibilidade de pilotos dos sexo feminino atuarem na principal categoria do automobilismo.

“Não conheço nenhuma mulher que seja fisicamente capaz de conduzir um carro de Fórmula 1 de forma rápida. Isso não deveria ser levado a sério”, afirmou Ecclestone, durante uma conferência europeia sobre propaganda, segundo informações da emissora britânica BBC.

Leia também:

Ecclestone sugere F1 feminina para atrair público e patrocinadores

Chefão da F1 ignora público jovem: ‘Prefiro rico de 70 anos’

Críticas não abalam chefão da F1: ‘Só saio em um caixão’

No ano passado, o diretor comercial da FIA já havia sugerido a criação de uma Fórmula 1 feminina, para dar espaço às mulheres, mas sem uni-las aos homens, como já acontece em outras categorias, como a Fórmula Indy.

A luta das mulheres para entrar em um meio dominado por homens como a Fórmula 1 ganhou força nos últimos anos, mas a última piloto na categoria foi Susie Wolff, que foi piloto de desenvolvimento e de testes da Williams entre 2012 e 2015 e jamais correu um GP. Sem espaço na briga pela titularidade, ela decidiu abandonar a carreira no fim do ano passado.

As declarações de Ecclestone causaram a revolta de pilotos femininas, como a britânica Pippa Mann. “Talvez alguém deveria lembrar a ele que um IndyCar não tem direção assistida, e podemos dirigir esses carros”, afirmou a inglesa, que competiu quatro vezes nas 500 Milhas de Indianápolis.

Segundo a BBC, Ecclestone tentou diminuir o peso de suas críticas ao dizer que “cada vez haverá mais mulheres em posições de responsabilidade no mundo da Fórmula 1”, porque elas são “são mais competentes” e “não têm egos enormes”.

Confusões – No evento desta quarta-feira, Ecclestone parecia mesmo disposto a causar controvérsia e abordou outros temas espinhosos. Ele disse que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, “é o homem que deveria controlar a Europa” e manifestou seu apoio a Donald Trump na disputa pela presidência dos Estados Unidos.

Segundo a BBC, Ecclestone afirmou ainda que os imigrantes não fizeram nenhuma contribuição ao Reino Unido na história – desrespeitando, inclusive, o tricampeão mundial de F1 Lewis Hamilton, que é neto de imigrantes da ilha caribenha de Granada. Em 2009, Ecclestone causou enorme alvoroço ao dizer que Adolf Hitler “era um homem que resolvia as coisas”.

(da redação)