Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dúvidas sobre Itaquerão na Copa irritam Ronaldo e Valcke

No Rio, dirigente da Fifa garante que São Paulo não será excluída do Mundial. Sobre Maracanã, elogios acompanhados de uma ressalva: 'Não vai estar 100%'

“Se alguém não entendeu a reposta, ponha o fone de ouvido, por favor. É a quarta vez que ele responde a mesma coisa”, provocou Ronaldo, saindo em defesa de Valcke

Faltando exatamente um mês para a estreia da Copa das Confederações, a abertura da Copa do Mundo foi o principal assunto na visita do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, ao Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, na manhã desta quarta-feira. Com o palco carioca perto de ser concluído, a controvérsia em torno da entrega do Itaquerão, em São Paulo, dentro do prazo previsto pela Fifa – dezembro deste ano -, acabou roubando a cena. Valcke não conseguiu esconder seu desconforto com a discussão que ele mesmo iniciou na terça, ao avisar que o descumprimento do prazo poderia significar uma mudança na tabela do Mundial. No Maracanã, o francês tentou evitar as perguntas dos jornalistas sobre a possibilidade de o estádio do Corinthians não sediar o jogo de abertura em 2014. “Já falei sobre esse assunto várias vezes e vou falar pela última vez agora. Teremos um encontro nos próximos dias entre as quatro partes responsáveis pelo estádio”, disse, em referência a Corinthians, Odebrecht, Fifa e Comitê Organizador Local (COL). Depois de garantir que São Paulo não corre o risco de ser excluída do Mundial, o cartola afirmou: “Vamos achar uma solução. Estamos no Rio e hoje vamos falar de Copa das Confederações.”

Leia também:

Trégua da Fifa durou pouco: a batalha de 2014 já começou

Um choque de culturas na Copa: a Fifa aprende o ‘jeitinho’

Cultura do jeitinho deixa país vulnerável a falhas em Copa

A jogada mais ousada de Ronaldo, o dono da bola no país

Ainda incompleto, o Maracanã reabre com festa e protesto

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Ao falar sobre o Maracanã, Valcke mostrou empolgação, ainda que tenha admitido que o estádio não estará em suas condições ideais na Copa das Confederações. O principal problema do palco da final da competição é a corrida para deixar pronta a região que cerca o estádio – hoje, as ruas ao redor do Maracanã ainda são um grande canteiro de obras. “Se nem tudo estará 100% no entorno, não é o fim do mundo”, afirmou o dirigente, que acabou cancelando sua última visita ao Maracanã por causa de um temporal que chegou a inundar algumas partes do estádio, ainda em obras. A previsão original do governo do Rio incluía a realização de um evento-teste no local justamente nesta quarta. O atraso nas obras fez com que o ensaio fosse cancelado. Em sua última visita ao Rio, em março, Valcke tinha reiterado que o ideal é a realização de três eventos-teste em cada sede, número considerado ideal para adequar toda a infraestrutura antes do primeiro jogo oficial. Isso não ocorrerá no estádio carioca, que só recebeu um jogo com acesso restrito aos operários que trabalharam na reforma e, no próximo dia 2, será o palco do amistoso entre Brasil e Inglaterra, enfim com presença de público.

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press)