Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dunga diz que ‘virose’ atrapalhou seleção no adeus à Copa América

Treinador disse que ao menos 15 dos 22 jogadores da seleção brasileira estavam debilitados na derrota para o Paraguai, em Concepción

Por Da Redação - 27 Jun 2015, 22h01

O técnico Dunga concedeu entrevista logo após a eliminação do Brasil para o Paraguai, nas quartas de final da Copa América do Chile, e afirmou que pelo menos 15 jogadores da seleção brasileira sofreram uma virose nos últimos dias. “Os jogadores tiveram virose, muita dor de cabeça, dor nas costas, mal estar no corpo e uns sentiram mais que os outros. Tivemos de diminuir intensidade dos treinos para tentar recuperá-los. E alguns tiveram ânsia que tivemos de atenuar”, justificou o treinador, que não citou o nome dos principais prejudicados.

Leia também:

Brasil perde nos pênaltis e é eliminado da Copa América pelo Paraguai

Dunga pede desculpas por se comparar a ‘afrodescendente’

Continua após a publicidade

Argentina bate Colômbia nos pênaltis e vai à semifinal

O goleiro Jefferson revelou ter sido uma das vítimas. “Peguei essa virose. Todo mundo acordou com febre, dor de cabeça e moleza no corpo. Do dia para noite isso afetou vários jogadores, mas não podemos colocar isso como desculpa.” O lateral Filipe Luís, no entanto, disse que não teve qualquer problema e que desconhecia o fato. “Não tive nada, estava perfeitamente pronto para o jogo. Não fiquei sabendo dos outros jogadores. Pode ser, mas eu não sei o que aconteceu”.

Robinho, que disse que gostaria de ter permanecido em campo para a disputa de pênaltis (seu substituto, Éverton Ribeiro, desperdiçou sua cobrança), não quis relacionar a derrota com as questões de saúde. “Não gosto de ficar justificando. Procurei o meu melhor dentro de campo. A virose atrapalha, mas poderíamos ter ganhado com virose ou não”.

Dunga ainda se disse tranquilo para a sequência do trabalho, que inclui o início das Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018. “No Brasil sempre há pressão. Temos que trabalhar muito para dar uma resposta para a torcida, mas é inútil lamentar. Tem que trabalhar e buscar a melhora. Temos que pensar o futebol brasileiro. Mas a nossa análise sempre fica restrita ao campo.”

Continua após a publicidade
Derliz González marcou o gol de empate dos paraguaios contra o Brasil
Derliz González marcou o gol de empate dos paraguaios contra o Brasil VEJA

(da redação)

Publicidade