Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dunga deve ser anunciado técnico do Brasil nesta terça

Escolha do treinador gaúcho aconteceu por indicação de Gilmar Rinaldi

Por Da Redação - 21 jul 2014, 08h09

Por indicação de Gilmar Rinaldi, Dunga deve ser anunciado como o novo técnico da seleção brasileira nesta terça-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Amigo do novo coordenador de seleções da confederação desde os tempos de Internacional, no início da década de 1980, o treinador deverá voltar à seleção quatro anos depois de ter sido demitido pelo então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ao final da Copa de 2010 na África do Sul.

Prestes a ser oficializada, a volta de Dunga teve participação direta de Rinaldi, que sugeriu o nome do gaúcho a José Maria Marin, atual presidente da CBF, e Marco Polo Del Nero, eleito para assumir a presidência da confederação em 2015. A dupla acatou rapidamente a sugestão e passou a negociar com Dunga. O contrato teria sido fechado na noite de sexta. No sábado, o portal da entidade publicou uma nota dizendo que o novo técnico da seleção seria apresentado na terça, às 11 horas.

Leia também:

Gilmar Rinaldi é o novo coordenador de seleções da CBF

Continua após a publicidade

CBF vai anunciar o novo técnico da seleção nesta terça

Confirmado sucessor de Felipão, Dunga pode apresentar na terça-feira a sua comissão técnica. Em 2010, seu auxiliar direto foi Jorginho.

A opção por Dunga agora segue a mesma estratégia adotada por Ricardo Teixeira em 2006. O então presidente queria um treinador linha-dura para amenizar os efeitos da desastrosa preparação da seleção em Weggis, na Suíça, para a Copa da Alemanha. Teixeira inventou Dunga como treinador – o ex-jogador, capitão do tetra, até então não tinha experiência na função – como resposta à suposta falta de pulso firme de Carlos Alberto Parreira, treinador do Brasil em 2006. Dunga entendeu o recado de Teixeira e, no cargo de técnico, acabou com privilégios que alguns veículos de comunicação tinham com os jogadores e, muitas vezes, chegou a tratar a imprensa como inimiga da seleção.

Reinaldo Azevedo: Dunga na seleção é o triunfo do caipirismo existencial

Continua após a publicidade

Campanha – Na Copa de 2010, Dunga enclausurou os jogadores em um hotel dentro de um campo de golfe em Johannesburgo, na África do Sul, e só permitiu acesso aos atletas em entrevistas oficiais. Naquele Mundial, o Brasil caiu nas quartas de final ao perder por 2 a 1 para a Holanda. Antes da Copa, Dunga havia conquistado a Copa América em 2007 e a Copa das Confederações em 2009.

Um dia depois de demitir Dunga, Ricardo Teixeira revelou que estava arrependido de não ter feito a troca de treinadores antes da Copa. “Não se interrompe um voo quando o avião sobrevoa o mar”, disse o presidente da CBF. Marin e Del Nero, ao que parece, não levaram em consideração as ponderações de Teixeira na época e deverão apostar novamente no treinador gaúcho. Nesta terça, a dupla deve confirmar o tempo de contrato firmado com Dunga e os próximos passos do novo comandante da seleção brasileira. Os primeiros compromissos do time serão em setembro, nos amistosos contra Equador e Colômbia nos Estados Unidos.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade