Clique e assine com até 92% de desconto

Dorival mantém empolgação com DAlessandro e Dagoberto como dúvida

Por Da Redação Atualizado em 19 jul 2016, 13h49 - Publicado em 15 abr 2012, 05h01

A entrada de D’Alessandro no intervalo mudou o jogo contra o Cerâmica, dando mais alternativas ofensivas ao Inter para escapar da marcação e fazer no segundo tempo os três gols da vitória por 3 a 0 desse sábado, o último deles em pênalti convertido pelo argentino. Mas Dorival Júnior contém a empolgação pela atuação do meia e à expectativa pela escalação de Dagoberto na quinta-feira, contra o Juan Aurich

‘A volta do D’Alessandro ocorreu praticamente em cima dos treinamentos, com pouco trabalho com bola. Vamos pensar ainda, trocar ideias’, explicou o treinador, lembrando que o armador acaba de ser recuperar uma lesão na coxa esquerda que o impedia de atuar desde o início de março

Dagoberto, por sua vez, não foi relacionado para o confronto contra o Cerâmica, válido pelas quartas de final do segundo turno do Campeonato Gaúcho, por conta de uma contusão muscular na coxa esquerda também. No entanto, é possível que esteja à disposição para atuar no Peru, na quinta-feira, pela Libertadores, apesar do ceticismo de Dorival Júnior.

‘Neste momento, ainda não contamos com o Dagoberto. Vamos definir na segunda-feira’, disse o técnico, usando o mesmo termo para falar sobre Guiñazu, recém-recuperado de dores no joelho esquerdo e que só não entrou nos últimos minutos do jogo desse sábado porque a comissão técnica acreditava em mais acréscimos. ‘É muito cedo para falar de Guiñazu e Dagoberto. Vamos ver o início da semana para definimos a equipe’, insistiu Dorival.

De qualquer forma, a maior esperança é em relação a D’Alessandro. Mesmo sem querer esboçar ânimo, o comandante do Colorado gostou de vê-lo contra o Cerâmica. ‘O D’Alessandro precisa de sequência para que se encontre em melhor condição. Foi mais do que importante a volta dele, passando uma confiança maior’, comemorou, enaltecendo a importância do argentin

‘O D’Alessandro tem um tempo de bola muito bom, sabe dar velocidade e o momento de segurar, quando fazer com que a equipe rode as jogadas, volte. É uma condição única dele pela forma que atua, por ser um jogador de armação acima de tudo. Tem um ‘time’ muito bom e contribui bastante para que voltemos a ter a posse de bola que o Internacional sempre teve’, analis

Continua após a publicidade
Publicidade