Domingo no parque? Nem todos compraram essa ideia

No primeiro fim de semana dos Jogos de Sochi, o público visitante nos arredores dos locais de competição decepciona o Comitê Olímpico

Por Alexandre Salvador - 9 fev 2014, 16h59

Pode ter sido o dia nublado, ou talvez seja mesmo desinteresse. O caso é que no primeiro domingo de competições da Olimpíada de Inverno de 2014, o parque olímpico ficou mais silencioso do que os próprios organizadores esperavam. Ao caminhar pelas largas ruas do Parque Olímpico localizado na cidade de Adler, ao sul de Sochi, o cenário era um tanto enfadonho. Não havia festa, ou sequer torcedores um pouco mais entusiasmados. Os quiosques que vendiam bebidas e petiscos aos visitantes, e os guichês de venda de ingressos, também não apresentavam grande procura. Os trens que partem do centro de Sochi até os locais de prova estavam bem mais cheios que nos dias anteriores, mas ainda sim não era o caso de não encontrar lugares vazios nos vagões.

O parque olímpico tem um total de 2 milhões de metros quadrados, área equivalente a quase 300 gramados do novo estádio do Maracanã, 60 quiosques de bebida e comidas, cinco restaurantes e até um parque de diversões (com montanha russa e tudo). De acordo com o comitê organizador local, o parque olímpico de Sochi tem capacidade para receber 120 000 pessoas por hora. No sábado, recebeu por volta de 30 000 visitantes segundo a porta-voz do Sochi 2014, Aleksandra Kosterina – neste domingo, o número não parecia muito maior. “Nós tivemos alguns problemas com a mentalidade dos russos de muitas maneiras”, disse Kosterina. “Eles gostam de chegar o mais em cima da hora possível, e não com antecedência.” O Comitê Olímpico Internacional está monitorando a frequência com ares de preocupação, muito em razão dos assentos vazios nos locais de prova (com exceção da patinação artística, a paixão nacional). O público abaixo do esperado fica evidente até mesmo pelas câmeras de TV, o que não agrada o COI.

Leia também

Na abertura dos jogos, uma nova velha Rússia

Publicidade

Abertura de Sochi amarga falha logo nos primeiros minutos

Dia de abertura em Sochi: mistério, diplomacia e protestos

Os organizadores russos adotaram algumas estratégias antes mesmo do início das disputas para tentar povoar o parque olímpico. A principal delas foi retirar a maior parte (89 de 99) das cerimônias de entrega de medalhas dos locais de prova, e transferi-las para uma praça central aos pés da pira olímpica. De acordo com as estimativas iniciais, 20 000 pessoas acompanhariam a premiação dos atletas in loco, o que certamente não foi atingido nesses dois primeiros dias de competições. Na noite de domingo, bandas se apresentavam no palco montado em frente a Praça das Medalhas, com meia dúzia de gatos pingados, por assim dizer. Será que os mais de 50 bilhões de dólares, o valor gasto para concretizar o sonho olímpico de Vladimir Putin, construíram um playground grande demais?

Leia mais

Publicidade

Antes mesmo da abertura, Sochi já tem competições

EUA alertam sobre ‘bombas em pasta de dente’ em Sochi

Publicidade