Clique e assine a partir de 9,90/mês

Documentário sobre Michael Jordan causa revolta em ex-companheiros de time

Horace Grant e Scottie Pippen, que jogaram nos Chicago Bulls com o camisa 23, não ficaram felizes com declarações exibidas em Arremesso Final

Por Danilo Monteiro - Atualizado em 22 maio 2020, 18h50 - Publicado em 22 maio 2020, 18h48

Arremesso Final (The Last Dance), o documentário disponível na Netflix que retrata o último ano da dinastia do Chicago Bulls na década de 90, foi visto por mais de 23 milhões de pessoas na plataforma de streaming. Sem filtro, a produção surpreende por ir além das vitórias e derrotas da equipe, exibindo também os conflitos dos jogadores e dirigentes. Michael Jordan não escapou de críticas dentro do documentário, que agora sofre também fora dele. Horace Grant, ex-armador do time até 1993, chamou o camisa 23 de mentiroso por acusá-lo de ser “dedo-duro” em um dos episódios.

“Mentira, mentira, mentira. É apenas rancor. E acho que ele provou isso durante o tal documentário. Quando você fala algo sobre ele, ele vai te cortar, vai tentar destruir a sua carreira”, disse Grant, em entrevista ao jornal The Sunday Times. Jordan disse no documentário que teria sido o ex-companheiro de equipe o responsável por vazar informações do vestiário ao jornalista Sam Smith, autor do livro Jordan Rules (1992), que causou alvoroço à época ao revelar o mau tratamento de Jordan aos seus companheiros.

“Ele me chamou de dedo-duro, mas depois de 35 anos ele conta que, em seu ano de novato, vai ao quarto de hotel de um dos seus companheiros e vê cocaína, maconha e mulheres. Meu ponto é: por que ele quis trazer isso à tona? Se você quer chamar alguém de dedo-duro, não seja um”, completou. Irritado, o ala-pivô revelou que certa vez Jordan pediu a uma comissária de bordo para não servir comida a Grant, ‘porque hoje ele jogou como lixo’.

O ala Scottie Pippen, principal companheiro de time de Jordan em seus anos de Chicago Bulls, também não ficou feliz sobre como foi retratado no documentário. Segundo o jornalista David Kaplan, da ESPN americana, o ala está desapontado com Jordan. “Ele está tão irritado com Michael e sobre como ele foi retratado, chamado de egoísta entre outras coisas. Ele está furioso por ter participado e não ter percebido no que estava se metendo”, informou.

Continua após a publicidade

Ao lado de Jordan, Pippen participou dos seis títulos do Chicago Bulls e também figura entre os melhores jogadores da história. O ala, no entanto, ficou insatisfeito por ter sido chamado de egoísta por Jordan ao revindicar uma melhoria salarial em 1997, quando recebia apenas o 122º maior salário da liga. O documentário também exibe a revolta de Pippen na semifinal da conferência leste de 1994 (ano da primeira aposentadoria de Jordan), quando ele se recusou a voltar à quadra, após o técnico Phil Jackson ordenar que o croata Toni Kukoc recebesse a última bola para decidir o jogo contra o New York Knicks.

Publicidade