Clique e assine com 88% de desconto

Do gramado aos barris: cerveja artesanal, a nova aposta dos boleiros

Time de craques cervejeiros tem Marcos, Zico, Aloísio e Douglas como destaques

Por Luiz Felipe Castro - 20 abr 2018, 10h32

O fim da carreira de jogador, definido pelo ex-craque Paulo Roberto Falcão como “a primeira morte”, geralmente representa uma confusão na vida dos boleiros. A angústia sobre o que fazer depois de tantos anos suando a camisa nos gramados e altas doses de adrenalina acomete a maioria dos atletas aposentados e muitos deles seguem atrás da bola, como treinadores, dirigentes, empresários ou olheiros. Atualmente, há uma nova tendência: a aventura no ramo da cerveja – uma velha companheira dos tempos de glória da maioria deles. O primeiro time de craques dos copos espumantes tem Zico, Marcos, Aloísio Chulapa, Bolivar e Douglas (este último ainda em atividade, pelo Grêmio).

“Não preciso nem dizer por que resolvi lançar as minhas cervejas né?”, brinca o irreverente Aloísio, ídolo são-paulino, que aproveitou da fama de bebedor que construiu nas redes sociais e batizou o seu “danone” (como se refere a cerveja) de Descubra, um de seus inúmeros bordões usados no Instagram, onde tem mais de 390.000 seguidores.

Cervejas Maestro 10 e General Landsberg/Divulgação

A bebida lançada recentemente em São Paulo com a presença de amigos como Luizão e Diego Lugano, é produzida pela cervejaria Lands Craft-Beer, de Caxias do Sul (RS) e tem dois tipos, Pilsen e American Pale Ale (APA), com preços que variam de 8 a 19 reais, dependendo do estilo e tamanho da garrafa. Em breve, a Descubra chegará a grandes mercados de São Paulo.

Antes, a marca gaúcha já havia lançado cervejas para ídolos de Grêmio e Inter: a pioneira Maestro 10, do meia tricolor Douglas, e a General, do ex-zagueiro Bolívar. “Fizemos parceria com o Douglas e depois tínhamos de ter alguém para equilibrar, porque a rivalidade em Porto Alegre é muito forte. Não poderíamos ficar marcados como uma cervejaria gremista, e buscamos o Bolívar, um ícone do Inter”, contou Rodrigo Parolin, fundador da cervejaria.

Publicidade

Parolin revela que o trio participou da escolha e criação das cervejas. “Eles visitaram a fábrica, fizeram uma degustação, deram pitacos e escolheram quais estilos de cerveja queriam associar a seus nomes.” A Maestro 10 vem nos tipos Pilsen, Weiss e IPA; e a General, Pilsen, Red Lager e APA. Segundo Parolin, as vendas têm crescido e a empresa já produz cerca de 20.000 litros por mês com os rótulos dos boleiros. O modelo de negócios é o mesmo: o jogador que empresta o rosto aos rótulos fica com uma porcentagem do lucro.

Marcos e Zico: Cerveja FC

Ídolos ainda mais consagrados também apostaram no ramo das geladas e não apenas na venda avulsa, mas na criação de um “clube de cerveja”. O ex-goleiro Marcos, do Palmeiras e da seleção brasileira, lançou em 2017 o Clube 12. Por uma mensalidade de 99,90 reais, os fãs do goleiro recebem um kit com duas cervejas diferentes por mês, com autógrafos e outros brindes, além da chance de ser sorteado para um encontro com o goleiro do pentacampeonato mundial.

Deixando de lado o perfil “pacato”, Marcos turbinou suas redes sociais para dar força às vendas da bebida, produzida pela cervejaria Walfanger, de Ribeirão Preto. Deu certo: limitado a 12.000 assinantes, o Clube 12 encerrou suas primeiras vendas em poucos meses.

View this post on Instagram

Publicidade

“Uma semana após o jogo de ida pela Copa Libertadores da América com uma atuação perfeita que rendeu ao goleiro palmeirense o batismo de “São Marcos”, Palmeiras e Conrinthians se enfrentavam pelo jogo de volta, novamente no estádio do Morumbi, pelas quartas de final…”. O 5º kit da edição histórica do Clube 12 de São Marcos relembra os acontecimentos marcantes deste dia que ficou marcado na história do futebol brasileiro. E a cerveja especial do mês que leva consigo o rótulo deste dia é uma Kristallweizen, uma típica cerveja de trigo alemã. Por ser filtrada, não apresenta o aspecto turvo característico de uma cerveja de trigo, mas é bem encorpada e saborosa. Seu aroma pode apresentar notas de banana, cravo e malte. Cerveja, Futebol e Resenha é aqui! @cerveja_12 . #ÉMaisQueCerveja

A post shared by Cerveja 12 (@cerveja_12) on

Zico, o herói máximo dos flamenguistas (que também trabalha como comentarista), seguiu o mesmo caminho e lançou em fevereiro o Clube Zico Art Beer, com uma imagem de seus tempos áureos, na década de 80, nos 12 rótulos disponíveis. A mensalidade custa 89,90 reais.

Ronaldinho e Iniesta vão de vinho

Dois ídolos do Barcelona também investem no mercado de bebidas alcoólicas: o espanhol Andrés Iniesta e Ronaldinho Gaúcho possuem suas linhas próprias de vinhos. O jogador da seleção espanhola leva o trabalho mais a sério: seu pai produzia vinhos desde a década de 90 e fundou a Bodega Iniesta em 2010, ano em que o meio-campista marcou o gol do título mundial da Espanha. A vinícola de Iniesta, localizada na cidade de Fuentealbilla, tem 200 hectares e produz mais de 1 milhão de garrafas por ano, além de queijos e azeites.

Publicidade

O vinho, inclusive, deve acelerar a ida do ídolo do Barcelona ao futebol chinês: segundo diversos jornais espanhóis, o acordo com o Tianjin Quanjian, que deve ser assinado no segundo semestre, prevê a expansão do negócio familiar – o jogador espera vender 2 milhões de garrafas na Ásia. Uma garrafa do vinho da Bodega Iniesta custa de 4,51 euros (18 reais) a 20,40 euros (80 reais), de acordo com o site oficial.

View this post on Instagram

Publicidade

¡Qué sabor tan delicioso tienen nuestros queridos vinos! Pero… ¿qué nos decís de sus aromas? Descubre qué esconden los aromas de nuestros vinos en nuestro blog: www.bodegainiesta.es/blog

A post shared by Bodega Iniesta (@bodegainiesta) on

Publicidade

E o boêmio Ronaldinho pegou carona na nova tendência. Ele é um de onze atletas a assinar uma linha dos “Vinhos dos Campeões” da vinícola italiana Fábio Cordella, de Salento, na região de Puglia, no sul da Itália. O brasileiro terá três tipos de vinho em sua homenagem, intitulados de R-ONE: um tinto (de uva primitivo), um rosé (negroamaro) e um branco (chardonnay). Outros três jogadores já assinam vinhos com Cordella: o holandês Sneijder, que assina a linha Wesley SneijderGianluigi Buffon, a linha Buffon; e Iván Zamorano, que assina a linha El Gran Capitán.

Ronaldinho Gaúcho mostra vinho assinado por ele Reprodução/Twitter
Publicidade