Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Djokovic bate Murray e é pentacampeão na Austrália

Sérvio torna-se o primeiro tenista a conquistar cinco títulos em Melbourne na chamada Era Aberta do tênis, iniciada em 1968

Por Da Redação 1 fev 2015, 10h11

O sérvio Novak Djokovic venceu o britânico Andy Murray por 3 sets a 1, com parciais de 7/6 (7-5), 6/7 (4-7), 6/3 e 6/0, e se tornou pentacampeão do Aberto da Austrália. Com isso, passou o suíço Roger Federer e o norte-americano Andre Agassi, que têm quatro títulos em Melbourne cada, e se tornou o primeiro a conseguir cinco títulos do Aberto da Austrália na chamada Era Aberta do tênis, iniciada em 1968, em que foi permitido a atletas profissionais disputarem os torneios de Grand Slam. O recorde de conquistas em Melbourne ainda pertence a Roy Emerson, seis vezes campeão entre 1961 e 1967.

É o oitavo título de Grand Slam do tenista sérvio líder do ranking mundial, que só não foi campeão de Roland Garros – ficou com o vice em Paris em duas oportunidades. Djokovic também levantou o troféu de Wimbledon duas vezes e uma o do Aberto dos Estados Unidos.

Djokovic e Murray iniciaram a disputa pelo título em Melbourne com longas e agressivas trocas de bola e poucos erros. O sérvio foi o primeiro a se sobressair, conquistando uma quebra de serviço no quarto game e abrindo 4/1. Mas Murray reequilibrou o duelo e venceu o saque de Djokovic no sétimo game. O sérvio conseguiu nova quebra no oitavo, mas voltou a perder seu serviço no nono game. A instabilidade levou a parcial a ser decidida no tie-break, que teve as mesmas características do restante do set. Djokovic cometeu uma dupla falta logo no primeiro ponto e viu Murray abrir 4 a 2 de vantagem. Mas o britânico não conseguiu manter o ritmo. O sérvio aproveitou, virou o placar e fechou o set com 7-5 no desempate.

O líder do ranking mundial iniciou a segunda parcial demonstrando incômodo no pé esquerdo e teve seu serviço quebrado já no segundo game, mas conseguiu se recuperar. Abriu 4/2 e parecia dominar as ações. No intervalo após o sétimo game, a partida ficou paralisada aproximadamente por cinco minutos por causa de manifestantes que invadiram a quadra. A pausa fez bem a Murray, que conseguiu repensar sua estratégia de jogo. Ele passou a atuar de forma mais agressiva e como consequência virou o placar da parcial. No décimo game, desperdiçou uma oportunidade de fechar o set, de novo decidido no tie-break. Desta vez, o britânico não jogou fora a vantagem construída no início do desempate e levou a parcial.

Djokovic voltou a demonstrar incômodos em seu pé esquerdo no início do terceiro set, em que perdeu o primeiro game de saque. Mas assim como na parcial anterior, deixou o problema de lado e ganhou três games seguidos. A recuperação do sérvio mexeu com o psicológico de Murray, que baixou de intensidade e se irritou quando não conseguiu mais equilibrar as ações na parcial. Djokovic soube usar o momento e levou o set.

A partir daí o líder do ranking mundial dominou a partida aproveitando-se da fragilidade emocional de Murray. A cada oportunidade perdida, o britânico esbravejava e reclamava em voz alta do próprio erro. Djokovic foi abrindo vantagem e irritando seu rival até ter 5/0 e o saque na mão. Ele ainda desperdiçou uma chance de fechar o jogo antes de forçar o britânico a mandar bola na rede e finalizar a partida.

(com Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade