Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Diretoria do América-MG reclama de arbitragem do clássico

Por Da Redação 5 mar 2012, 09h30

A diretoria do América-MG prometeu nesse domingo agir com rigor para evitar que o clube seja prejudicado pela arbitragem nos jogos do Campeonato Mineiro. A cúpula do Coelho avaliou que o árbitro do clássico contra o Atlético-MG, Igor Benevenuto, beneficiou o Galo ao expulsar o volante Leandro Ferreira. Membro do conselho gestor do América-MG, Francisco Santiago, reclamou da falta de critérios da arbitragem.

‘Enquanto o jogo estava equilibrado, o Escudero fez uma falta dura, e ele (árbitro) foi lá e bateu no ombro do Escudero. Agora, no primeiro lance do América-MG, ele expulsa o Leandro Ferreira. Era o momento de ele dar a sua parcela de ajuda ao Atlético-MG. Aqueles juízes antigos, nós conhecemos todos. Esse é o novo, o novato, que veio aqui para fazer o que fez com o América-MG’, esbravejou.

Francisco Santiago disse ainda que tem conhecimento de que a maioria dos árbitros mineiros torcem pelo Atlético-MG, e que, sempre que podem, ajudam o Galo. ‘Em máfia eu não posso falar. Em máfia quem falou foi o presidente do Atlético-MG, e não deu nada. Eu estou falando que a maioria dos juízes são torcedores do Atlético-MG, e se eles podem dar uma mãozinha para o Atlético-MG, eles dão. Por que não expulsou o Escudero, e ainda bateu a mão no ombro dele?’, reclamou.

O diretor de futebol do América-MG, Jair Albano Felix, também não poupou críticas à arbitragem. O dirigente, que é ex-árbitro, foi enfático ao dizer que o Coelho vem sendo prejudicado desde o início do Campeonato Mineiro, e citou exemplos de situações em que considera que o clube foi lesado.

‘Estamos na quinta rodada do Campeonato Mineiro. Nessas cinco rodadas, tivemos lances contra o América-MG, como no lance do jogador Kaká na partida contra o Villa, e hoje, mais uma vez. Não existe jogada violenta no lance, não existe situação manifesta de gol, então é uma situação normal de jogo. No máximo, passível de cartão amarelo’, disparou.

Continua após a publicidade
Publicidade