Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chefe da Ferrari diz que filho de Schumacher tem portas abertas na equipe

Mick Schumacher, de 19 anos, disputa atualmente o Campeonato Europeu de Fórmula 3 e sonha em chegar à maior categoria do automobilismo

O chefe da Ferrari, Maurizio Arrivabene, afirmou nesta sexta-feira que Mick Schumacher, piloto de 19 anos e filho do heptacampeão mundial de Fórmula 1 Michael Schumacher, tem portas abertas na escuderia italiana no futuro. “Como poderia dizer não em Maranello a alguém com esse sobrenome?”, questionou Arrivabene, em entrevista nesta sexta-feira, durante as atividades do Grande Prêmio de Singapura de F1.

“O mais importante é deixá-lo crescer sem colocar pressão sobre ele. Os últimos resultados foram muito bons e desejo a ele uma grande carreira. Com um nome como o dele, que escreveu páginas históricas na Ferrari, acredito que as portas de Maranello sempre estarão abertas. Mas isso é uma decisão da família Schumacher”, explicou Arrivabene.

Mick Schumacher é o segundo colocado do Campeonato Europeu de Fórmula 3, apenas quatro pontos atrás do inglês Daniel Ticktum. Caso fique entre os três primeiros da categoria, ele pode conquistar os pontos necessários para obter a superlicença exigida para todos os pilotos que querem atuar na Fórmula 1.

Os representantes de outras equipes também falaram sobre a evolução do filho de Schumacher. O chefe de equipe da Haas, Gunther Steiner, disse que sua escuderia prefere pilotos “com experiência”, mas avaliou que Mick tem “futuro na Fórmula 1”.

Frédéric Vasseur, da Sauber, explicou que há um grande salto da Fórmula 3 para a principal categoria do automobilismo mundial e por isso considerou como improvável que Mick já esteja na Fórmula 1 na próxima temporada.

No entanto, Vasseur avalia que é possível que o filho de Schumacher já faça testes na Fórmula 1 em 2019, uma opinião compartilhada pelo diretor esportivo da McLaren, o brasileiro Gil de Ferran.

Cinco vezes campeão pela Ferrari, Michael Schumacher está hospitalizado desde dezembro de 2013, quando se chocou com uma rocha ao esquiar nos Alpes Suíços. O ex-piloto passou seis meses em coma, e, desde então, a imprensa não obteve mais informações concretas, já que a família prefere manter o estado de saúde do heptacampeão da Fórmula 1 em sigilo.