Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dicionário de dois Brasis: M a Z

VEJA contrasta o Brasil de 1950 com o de 2014 em quase todos os domínios da vida — estética, cultura, economia, política, comportamento e, claro, futebol

Leia também:

Dicionário de dois Brasis – A a L

MMúsica

​General da Banda, Balzaquiana, Nega Maluca e Paraíba foram os maiores sucessos em 1950. Com o refrão “Paraíba masculina / Muié macho, sim sinhô”, a canção de Luiz Gonzaga causaria certa repulsa no mundo politicamente correto de hoje, ao qual o Brasil aderiu de modo quase integral. Como os hits atuais serão lembrados daqui a 64 anos? “…os plaquê de 100, dentro de um Citroën”, canta MC Guimê, ídolo atual do funk ostentação. As gírias são incompreensíveis e caem em desuso da noite para o dia. Uma boa aposta talvez seja que Gonzagão ainda será reverenciado em 2078 e o hoje grande MC Guimê será superado antes de 2018.

Mania

NA FIGURINHA, SIM: NA COPA, NÃO – O álbum de 2014 errou mais do que o de 50. Robinho é o engano na seleção brasileira NA FIGURINHA, SIM: NA COPA, NÃO – O álbum de 2014 errou mais do que o de 50. Robinho é o engano na seleção brasileira

NA FIGURINHA, SIM: NA COPA, NÃO – O álbum de 2014 errou mais do que o de 50. Robinho é o engano na seleção brasileira (/)

O álbum de figurinhas da Copa de 50 foi produzido por uma fábrica de doces. Elas eram vendidas junto com as Balas Futebol e retratavam apenas os onze titulares das treze seleções. Que contraste com o álbum de 639 figurinhas do Mundial de 2014, distribuído em 110 países. Quase 4% dos jogadores estampados nas figurinhas do passado não foram convocados para a Copa. O erro agora é o triplo. São 12,5% os jogadores faltantes.

Materiais sintéticos

Material sintético Material sintético

Material sintético (/)

​Na primeira Copa do Brasil, uma fabriqueta de Niterói, a Superball, foi responsável pelo maior avanço tecnológico de então. A bola Duplo T, de couro marrom, não tinha mais cadarços, as costuras ficavam escondidas e a válvula foi embutida. Era feita 100% com materiais naturais: borracha e couro. A Brazuca, de 2014, da Adidas, tem câmara de ar de látex sintético coberto por cinco camadas de poliuretano formulado especialmente pelos químicos da alemã Bayer, de modo a dar à Brazuca uma estrutura indeformável e superfície repelente à água.

Margarina

Em 1950 surgiu a grande novidade do café da manhã dos brasileiros: a margarina, vendida como alternativa mais saborosa,barata e saudável à manteiga. Um sucesso imediato. Nos anos 80 veio o alerta. Colocadas lado a lado, as curvas de incidência de ataques cardíacos e de consumo de margarina coincidiam. A suspeita recaiu sobre a gordura artificial da margarina, que foi condenada. Hoje, as margarinas contêm ômega-3, fitosteróis e outros ingredientes benéficos.

NNuvem

NO AR – Dos aviões de correio, aos balões com Wi-Fi do Google NO AR – Dos aviões de correio, aos balões com Wi-Fi do Google

NO AR – Dos aviões de correio, aos balões com Wi-Fi do Google (/)

Comunicação veloz e barata eram cartas par avion. Os telegramas custavam fortunas. Hoje a comunicação de baixo custo e rápida vai pelas nuvens – não as cumulus nimbus varadas pelos pilotos do Correio Aéreo Nacional. Nuvens são servidores de internet, alguns até em balões.​

OObsolescência programada

Uma geladeira era feita para durar décadas. A indústria ainda não adotara a obsolescência programada – estratégia, mais comum depois de 1954, de fabricar bens com prazo de validade e, assim, vender mais, substituindo-os por modelos mais novos. Hoje é diferente. Os carros modelo 2014 já foram mostrados em 2013. Não passa um ano do lançamento de um modelo e um novo iPhone é anunciado. Vivemos em um mundo 2.0…Oops, já é 3.0!​

PProdutividade no campo

MÃOS E MÁQUINAS – Programa de mecanização foi incentivado por Vargas MÃOS E MÁQUINAS – Programa de mecanização foi incentivado por Vargas

MÃOS E MÁQUINAS – Programa de mecanização foi incentivado por Vargas (/)

​Fora a enxada e o arado e alguns poucos insumos, a produção de alimentos era artesanal no Brasil de 1950 e mal dava para alimentar uma família. Até as culturas de exportação, como a cana-de-açúcar e o café, dependiam totalmente de braços de homens e mulheres. Anos mais tarde, Getúlio Vargas faria uma tentativa de mecanizar as lavouras. Mas a produtividade brasileira no campo, uma das maiores do mundo hoje, só veio com a correção da acidez do solo do cerrado pela Embrapa durante o regime militar. Atualmente cada homem do campo no Brasil produz alimentos para cerca de 200 pessoas.

QQueixada

OS DOIS ESCRETES – O atual é mais alto e mais pesado OS DOIS ESCRETES – O atual é mais alto e mais pesado

OS DOIS ESCRETES – O atual é mais alto e mais pesado (/)

Ademir de Menezes, o Queixada, do Vasco, foi o artilheiro do Brasil em 1950, com oito gols. Tinha 1,76 metro de altura e 73 quilos. Era mais pesado que a média da seleção de Flávio Costa (68 quilos) e também mais alto (1,74 metro). Quando se compara a anatomia dos craques de 1950 com a dos de 2014, percebe-se como atletas normais viraram máquinas. A canarinho de Felipão tem, em média, 1,81 metro e 75 quilos.

RRacionamento

ANTES… Anúncio sobre como lidar com a falta de energia. E AGORA… o baixo nível da represa de Furnas ANTES… Anúncio sobre como lidar com a falta de energia. E AGORA… o baixo nível da represa de Furnas

ANTES… Anúncio sobre como lidar com a falta de energia. E AGORA… o baixo nível da represa de Furnas (/)

​A história se repete: o Brasil de 50 estava à beira do colapso energético, ameaça atualíssima. Curiosamente, ou não, as causas são as mesmas. 1950 foi um ano tremendamente seco. Além disso, o governo havia imposto um teto de 10% de lucratividade às empresas energéticas, que, desanimadas com o negócio, deixaram de investir em novas usinas justamente quando a demanda crescia mais. Às vezes, como nesse caso, o passado ilumina o presente.

SSuperstição

XÔ MARACANAZO – O uniforme atual, desenhado pelo gaúcho Aldyr Schlee XÔ MARACANAZO – O uniforme atual, desenhado pelo gaúcho Aldyr Schlee

XÔ MARACANAZO – O uniforme atual, desenhado pelo gaúcho Aldyr Schlee (/)

​O uniforme todo branco com gola e manga azuis usado no Maracanazo de 1950 virou símbolo de mau agouro. Por isso, a camisa amarela passou a ser usada a partir de 1953. Na quinta-feira, a seleção estreará contra a Croácia vestindo seu uniforme tradicional. Esconjuro.

TTelevisão

Televisão Televisão

Televisão (/)

Por pouco o Brasil não se tornou o primeiro país a transmitir uma Copa pela televisão. A TV Tupi entrou no ar em 18 setembro de 1950. Na ocasião, Lolita Rodrigues cantou o Hino da TV Brasileira no lugar de Hebe Camargo (1929-2012). Para ter um aparelho, era preciso gastar então 41 salários minimos. Hoje, compra-se uma boa TV por menos de um.

UUrbanização

CAMINHO DA MODERNIDADE – A Via Dutra, que liga as duas principais metrópoles do país CAMINHO DA MODERNIDADE – A Via Dutra, que liga as duas principais metrópoles do país

CAMINHO DA MODERNIDADE – A Via Dutra, que liga as duas principais metrópoles do país (/)

O número de brasileiros saltou de 51,9 milhões, em 1950, para 201 milhões, em 2013. No mesmo período, o país passou de oitavo a quinto mais populoso do mundo. A mudança mais drástica foi em relação à urbanização. Antes, 64% dos habitantes moravam no campo. Agora, quase 90% dos brasileiros vivem em cidades.

VVigor

Vigor Vigor

Vigor (/)

Para esculpir o corpo, encomendava-se pelo correio o programa de Charles Atlas. Os menos radicais adotavam a popular ginástica calistênica da Força Aérea Canadense. Pois não é que o crossfit, que atrai os brasileiros hoje, deve muito ao método dos canadenses?

WWM

A tática de jogo representada por essas letras era badalada em 1950 e foi adaptada pela seleção. O Brasil de 2014 também utiliza um sistema “da moda”. O 4-2-3-1 é o mesmo empregado atualmente pelo Bayern de Munique, do técnico Guardiola.

XXis da questão

PROGRAMA DE ÍNDIO – Xavantada e flechadas contra a ordem PROGRAMA DE ÍNDIO – Xavantada e flechadas contra a ordem

PROGRAMA DE ÍNDIO – Xavantada e flechadas contra a ordem (/)

Em 1950, os xavantes foram estrelas de famosas reportagens fotográficas. Hoje, as lentes focam os xucurus flechando policiais em Brasília. Os xucurus estão extintos desde 1822. A reaparição teatralizada deles é o xis da questão indígena no Brasil.

YYes, nós temos banana

PARA DAR E VENDER – Carmem Miranda e Daniel Alves: latinidade e protesto PARA DAR E VENDER – Carmem Miranda e Daniel Alves: latinidade e protesto

PARA DAR E VENDER – Carmem Miranda e Daniel Alves: latinidade e protesto (/)

Historiadores costumam dizer que o Brasil de 1950 era o de Carmen Miranda, que ficou famosa cantando e dançando com bananas e outras frutas acomodadas na cabeça. Em abril de 2014, o protesto do baiano Daniel Alves, lateral da seleção e do Barcelona, que comeu uma banana atirada em sua direção por um torcedor racista, mobilizou as redes sociais.

ZZagallo

Mário Zagallo Mário Zagallo

Mário Zagallo (/)

​A história de Zagallo, bicampeão mundial como jogador (58-62) e campeão como treinador (70), nasceu em 1950. Servindo no Exército, ele trabalhou nas obras e na segurança do Maracanã. Agora, aos 82 anos, quer estar na abertura da Copa.

Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana