Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dia D para o Corinthians, que quer vitória e volta da torcida

À tarde, recurso contra proibição de público será julgado pela Conmebol; à noite, time paulista enfrenta o Tijuana no México - em gramado sintético

Por Da Redação - 6 mar 2013, 07h12

O Corinthians tem nesta quarta-feira um dia decisivo, dentro e fora de campo, para seu futuro na Copa Libertadores. A partir das 22 horas (de Brasília), os jogadores iniciam a partida contra o Tijuana, pela terceira rodada do Grupo 5, e terão o gramado sintético do estádio Caliente como um adversário extra de olho na liderança – o time tem 4 pontos, dois a menos que o rival, que venceu seus dois jogos anteriores. Antes disso, às 16 horas (de Brasília), a missão é dos advogados, que estarão na sede da Conmebol, em Assunção, no Paraguai, para o julgamento do recurso contra a decisão da entidade, que proibiu a torcida de frequentar os jogos do clube na competição – na quarta-feira passada, apenas quatro torcedores, amparados por liminares baseadas no Código de Defesa do Consumidor, estiveram no Pacaembu para ver a vitória sobre o Millonários por 2 a 0.

Leia também:

Leia também:

Corinthians supera Barça em ranking liderado por Chelsea

Continua após a publicidade

Jogos e preces: a vida dos corintianos presos na Bolívia

Corinthians vai à Conmebol para fugir de novos prejuízos

A condenação ocorreu por causa da morte do boliviano Kevin Douglas Beltrán Espada, de 14 anos, atingido por um sinalizador que partiu da torcida corintiana no Estádio Jesus Bermúdez durante o jogo contra o San José, em Oruro, na Bolívia, último dia 20 de fevereiro. Por causa da morte de Kevin, os torcedores corintianos também foram proibidos de acompanhar os jogos que a equipe comandada por Tite disputará fora de casa nesta edição da competição continental – proibição que deve ser burlada por brasileiros que vivem em Tijuana ou mesmo nos os Estados Unidos. O presidente do Comitê Disciplinar da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), Caio Cesar Vieira da Rocha, disse que o clube será julgado com base no artigo 18 do novo código disciplinar da Conmebol, que prevê até mesmo a eliminação da equipe no torneio – o que ele duvida que ocorrerá. “Isso é para casos quando o clube tem uma participação direta. A punição deve girar algo em relação a multa e partidas com portões fechados”, disse.

Em campo, o clube pode igualar o recorde de invencibilidade da história da Libertadores, de 17 jogos, que pertence ao Sporting Cristal, do Peru, nas edições de 1962, 1968 e 1969. O Corinthians foi campeão invicto com 14 jogos no ano passado e acumula mais dois jogos sem perder neste ano. “É um desafio. A observação do recorde é importante’, afirmou o técnico Tite, que passou os últimos dias preocupado em alertar os jogadores sobre as dificuldades do gramado sintético. “‘Tenho a experiência de jogar a minha peladinha em gramado sintético e sei o quanto é diferente. Todo o mundo que bate uma bolinha sabe do que estou falando. A velocidade da bola, o domínio e o passe mudam. Precisaremos nos adaptar”, afirmou.

Continua após a publicidade

A equipe titular será a mesma que venceu o Millonarios na semana passada, com Pato e Guerrero como dupla de ataque, e Danilo e Renato Augusto como responsáveis pela armação. Alessandro e Fábio Santos, poupados do clássico contra o Santos, no domingo, voltab ao time, que encarou uma maratona de 17 horas para chegar a Tijuana, viagem iniciada no domingo à noite, direto do Morumbi. “A viagem foi cansativa, mas temos que superar isso e o nosso melhor porque enfrentamos o líder da chave. Temos que jogar o nosso futebol para sair daqui com a vitória, confirmando a nossa boa sequência de invencibilidade”, afirmou o zagueiro Gil.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Do lado do Tijuana, fundado em 2007, os jogadores esperam mais um passo “histórico”, como diz seu site oficial, ao bater o campeão mundial. Os comandados do argentino Antonio Mohamed mostram confiança após o bom início de campanha. “Temos de ser a equipe que a gente vem sendo. Jogando em casa, temos de ter organização e agressividade com a bola. Nossa equipe tem mostrado uma identidade ao longo das competições, não podemos mudar. Um triunfo será um passo importante para a classificação e estamos concentrados nesse objetivo”, afirmou o meia Leandro Augusto, brasileiro que defende o clube desde 2011.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Publicidade