Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Depois de eliminação, São Paulo faz ‘faxina’ e afasta sete

Os jogadores serão emprestados a outros clubes - sem data para retornar

Por Da Redação 10 Maio 2013, 12h27

As eliminações na Libertadores e no Campeonato Paulista afetaram o São Paulo e, nesta sexta-feira, o presidente do clube, Juvenal Juvêncio, anunciou o afastamento de sete jogadores. Os principais nomes da lista são o lateral Cortez, o volante Fabrício, o meia-atacante Cañete e o atacante Wallyson. Os outros são os zagueiros João Filipe e Luiz Eduardo e o lateral Henrique Miranda. “Eles serão emprestados, sobretudo Luiz Eduardo e Miranda”, disse o cartola, citando os mais jovens da lista. “Esse é nosso processo de reciclagem, porque acreditamos neles”, disse Juvenal Juvêncio, que também garantiu a permanência do técnico Ney Franco.

Leia também:

O meia Lucas volta ao São Paulo. Para tratar de contusão

São Paulo jogará com Bayern, Milan e Manchester City

A próxima partida do São Paulo será na estreia do Campeonato Brasileiro, em 26 de maio, contra a Ponte Preta. A comissão técnica optou por treinar no CT de Cotia. Os sete afastados não seguirão com o elenco. A novidade fica por conta do retorno do lateral-esquerdo Juan, que estava sem jogar e voltará a fazer parte do grupo para suprir a ausência de Cortez.

Continua após a publicidade

Entre os jogadores afastados, os jovens Luiz Eduardo e Henrique Miranda (ambos de 20 anos) contam com a confiança da diretoria e podem voltar ao clube no futuro. João Filipe e Cortez tiveram bons momentos no passado, chegaram a se destacar, mas perderam espaço. Já Fabrício, Wallyson e Cañete sofreram com problemas físicos nos últimos tempos.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O primeiro semestre do São Paulo foi por água abaixo na última semana, com a eliminação para o Corinthians, nos pênaltis, na semifinal do Campeonato Paulista, e a goleada sofrida diante do Atlético-MG, por 4 a 1, que tirou a equipe nas oitavas de final da Libertadores. “Acho que não tenho culpa, procurei fazer o máximo. Nós procuramos dar o melhor, trazer exemplos, dar condições, e não conseguimos. Não transfiro a culpa para os atletas, estou dentro do processo, mas não contribuí para ele”, disse Juvenal Juvêncio.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade