Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Depois de decepção, Medina planeja ir mais cedo ao Havaí

<p>Brasileiro segue na frente para faturar título inédito na etapa final, em Pipeline</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 19h23 - Publicado em 20 out 2014, 08h15

“Eu queria muito ter vencido aqui em Portugal, mas estou pronto para competir em Pipeline. Agora, eu dependo só de mim”, disse o paulista de 20 anos

Mesmo saindo derrotado da terceira fase da etapa de Portugal do circuito mundial de surfe, o brasileiro Gabriel Medina continua com boas condições de conquistar um título inédito para o país na próxima etapa da temporada, no Havaí, que fecha o campeonato. Para se ter uma ideia da diferença de pontos que Medina tem para Kelly Slater, o atual segundo colocado do circuito, o brasileiro poderia ser campeão com um nono lugar em Pipeline, mesmo que o americano, onze vezes o melhor do mundo, fature a taça da etapa que fecha o ano, em dezembro.

Sabendo que está mais próximo do título do que os rivais, Medina terá alguns dias para relaxar ao lado da família e pensar no que vai fazer antes da etapa decisiva. “Esses momentos são difíceis, mas tenho de superar porque estou fazendo o que eu amo fazer, que é surfar. Sorte que a família está sempre do meu lado”, afirmou. “Eu queria muito ter vencido aqui em Portugal, mas eu estou pronto para competir em Pipeline. Estou muito triste com o resultado desta etapa, mas ainda bem que o Kelly perdeu também. Eu dependo só de mim.”

Leia também:

Medina e Slater caem e a definição do título será no Havaí

Continua após a publicidade

A um passo da glória, Medina não teme o ‘fantasma’ Slater

​O voo de Gabriel Medina, o jovem ídolo do surfe brasileiro

Continua após a publicidade

Kelly Slater já trata Gabriel Medina como seu principal rival

A princípio, Gabriel Medina vai permanecer em Portugal até quinta-feira, conforme já estava previsto, e só então vai retornar para o Brasil. Ele deverá desembarcar no Rio de Janeiro, onde cumprirá uma agenda com patrocinadores. Depois, de 3 a 9 de novembro, ele participa do Prime de Maresias, onde mora, em competição válida pela divisão de acesso. “Vou disputar essa competição”, confirmou. Como o brasileiro não conquistou o título antecipado, ele também pretende partir antes para o Havaí, a fim de se aprimorar nos tubos de Pipeline, na North Shore da ilha de Oahu.

“Agora vou tentar ir para o Havaí o mais cedo possível para treinar e tomar uns caldos”, brincou, fazendo referência ao grau de dificuldade da mais lendária praia do circuito de surfe. A etapa havaiana acontece de 8 a 20 de dezembro e Medina pode sair dela como o primeiro brasileiro campeão mundial na elite do surfe. “Vai dar tudo certo, se Deus quiser. Minha fé é a última que morre.” Com as eliminações de Medina e Slater em Peniche, o australiano Mick Fanning, o havaiano John John Florence e o taitiano Michel Bourez podem entrar na briga pelo título, dependendo dos resultados que conseguirem em Portugal.

https://youtube.com/watch?v=2ux-Mnn34cg%3Frel%3D0%26controls%3D0%26showinfo%3D0

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade