Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Decreto de Trump pode tirar EUA da corrida por Copa de 2026

Presidente da Fifa afirma que restrição à entrada de cidadãos de seis nações de maioria muçulmana pode impedir americanos de sediar novamente o Mundial

Por Da redação - 9 mar 2017, 18h24

Os Estados Unidos, que sediaram a Copa do Mundo em 1994, são os principais favoritos para receber novamente o maior evento do futebol em 2026, mas a restrição imposta pelo presidente Donald Trump à entrada no país de cidadãos de seis países de maioria muçulmana pode impedir os americanos de organizar o Mundial pela segunda vez, de acordo com o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Nesta quinta-feira, o suíço afirmou em Londres, onde participou de uma reunião de cúpula da entidade que preside, que nenhum país pode sediar a Copa se não permitir a livre circulação dos membros das equipes participantes, assim como de seus torcedores. “Quando se trata de uma competição da Fifa, qualquer equipe, incluindo seus torcedores, que se classifica para um Mundial tem de ter acesso ao país. Caso contrário, a Copa do Mundo não será realizada lá.”

Na última segunda-feira, Trump assinou um decreto que proíbe a concessão de vistos a cidadãos de Síria, Irã, Líbia, Iêmen, Somália e Sudão. A medida, que vai entrar em vigor na próxima quinta-feira, também pode impedir a cidade de Los Angeles de sediar os Jogos Olímpicos de 2024

Publicidade