Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Decisivo na expulsão de Denilson, Casemiro promete ouvir Adilson

Por Da Redação - 6 out 2011, 19h02

Surpresa por aparecer no banco de reservas contra o Cruzeiro, Casemiro terá em breve uma conversa com Adilson Batista sobre sua postura. O volante participou de cerca de dez minutos do jogo e, em uma das raras vezes em que tocou na bola, tentou um toque de calcanhar e errou. Para evitar o contra-ataque, Denilson fez falta e foi expulso.

No desembarque da delegação no Aeroporto de Congonhas, o meio-campista não demonstrou mudanças em relação a outras aparições. De óculos escuros, com um celular no ouvido, falou rapidamente sobre sua condição, sem aparentar desânimo por, uma semana após integrar a Seleção Brasileira, ficar no banco de seu clube.

Sobre o treinador, o camisa 8 limitou-se a dizer que vai cumprir o que for solicitado pelo chefe. ‘Tenho que procurar fazer o que ele está pedindo. Voltar mais, marcar. Respeito a decisão dele’, falou.

Adilson Batista fez questão de não deixar sua reprovação em relação a Casemiro ficar clara em suas palavras. Na entrevista coletiva depois da partida, afirmou que o acerto com o meio-campista seria feito ‘internamente, para fazer o profissional crescer’ e reforçou que ‘gosta muito do atleta’.

Publicidade

O técnico costuma ressaltar a juventude do camisa 8, titular da Seleção Brasileira campeã mundial sub-20 em agosto e que já reclamou publicamente por aumento salarial antes de renovar há dois meses.

Adilson, porém, ficou bem irritado com a atuação de Casemiro contra o Flamengo, quando ele tentou lances de efeito e não ajudou Wellington a marcar a dupla Ronaldinho Gaúcho e Junior Cesar, decisiva na vitória carioca no domingo.

O volante alega que nenhuma das avaliações foi colocada pelo chefe para ele. ‘Até agora ele não conversou comigo, mas vamos ver o que ele quer’, disse, insistindo que respeita quem é titular. ‘Tenho que respeitar a decisão e quem está no time. Vou brigar para voltar a ser titular’, prometeu.

Publicidade