Clique e assine a partir de 9,90/mês

Daniel Alves: ‘Tento ser um exemplo prático e não teórico’

Lateral de 36 anos pode conquistar seu 40º título na carreira, o primeiro como capitão

Por Alexandre Senechal, Luiz Felipe Castro - Atualizado em 6 jul 2019, 19h00 - Publicado em 6 jul 2019, 18h53

RIO DE JANEIRO – Daniel Alves é o jogador mais vitorioso da história do futebol mundial. Com 39 títulos conquistados, o lateral de 36 anos pode levantar o seu primeiro troféu como capitão neste domingo, 7, no Maracanã. O Brasil enfrenta o Peru na final da Copa América e deposita no atleta mais experiente no elenco a esperança de conquistar a primeira taça da “Era Tite”. O jogador não espera ser só um exemplo pela sua história: quer ser decisivo dentro de campo, como aconteceu na semifinal contra a Argentina.

“Sinto que tudo que eu faço tem um significado, tudo que eu planto tem uma colheita boa e é isso que me mantem firme e sólido na minha carreira. Trabalho muito, sou um competidor e alguém que não gostaria de ser apenas uma tentativa no futebol, tento ser um exemplo prático e não teórico, esse é meu maior troféu, deixar um legado para pequenos sonhadores”, afirmou Daniel Alves na coletiva de imprensa na véspera da final.

Para o lateral, o fato de levantar seu primeiro título com a braçadeira de capitão no braço não tem nenhuma diferença com qualquer outro campeonato conquistado. “Não imaginei a cena e nem quero ficar marcado por levantar a taça como capitão, mas sim por conquistá-lo, que é nosso objetivo. Temos de ter respeito e cuidado com essa decisão. É muito especial jogar uma final com a seleção no Maracanã. Vamos colocar tudo o que temos para que o objetivo seja conquistado”.

Daniel Alves está sem clube. O contrato com o time francês do Paris Saint-Germain chegou ao fim e a imprensa europeia especula que ele estaria de malas prontas para voltar ao Barcelona. Focado na decisão da Copa América, o jogador evitou falar no assunto. “Não é hora nem ocasião de falar nisso, estamos prestes a jogar uma final. Posso dizer que meu único emprego neste momento é a seleção brasileira e vou me limitar a isso agora. É muito especial tudo que a gente vai viver no dia de amanhã, temos muita gente estreando nesse aspecto e por mais que tenhamos conquistado tanto no futebol, é a sensação de primeira vez”.

Publicidade