Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dana White não perdoa briga entre Wanderlei e Sonnen

Chefão do UFC chamou a atenção dos lutadores e expulsou André Dida do TUF

Por Da Redação 21 abr 2014, 18h11

A briga entre o brasileiro Wanderlei Silva e o americano Chael Sonnen no reality The Ultimate Figther Brasil 3 foi duramente condenada por Dana White. No programa do último domingo, foi exibida a bronca dada pelo chefão do UFC nos veteranos lutadores e, sobretudo, em André Dida – assistente de Wanderlei -, que foi expulso do programa por agredir Sonnen pelas costas no meio da confusão. Dana White ainda ironizou ao dizer que adoraria que seus contratados lutassem de graça, mas que este tipo de violência fora do octógono mancha a imagem do MMA.

“Vocês não se gostam, tudo bem. Mas estamos nesta estrada há anos, tentando regulamentar este esporte. Mesmo aí no Brasil, onde tudo começou, as pessoas achavam que o MMA era cheio de ‘gorilas’, e é exatamente como vocês dois se comportaram. Se vocês querem lutar de graça, eu adoraria não ter de pagar, seria ótimo. Vocês são atletas profissionais, ganham muito dinheiro para lutar um contra o outro e saber quem é o melhor. Se quiserem lutar de graça vai ser maravilhoso, mas eu acredito que vocês não querem fazer isso, certo? Vocês são mentores de jovens lutadores, mostrando como eles devem agir e agiram como idiotas. Parabéns!”, disse White. Wanderlei e Sonnen lutam no UFC 175, em Las Vegas, em 5 de julho.

Leia também:

UFC: Werdum vence Browne e agora pega Velasquez

UFC: ingressos para Cigano x Miocic vão de R$ 290 a R$ 1.800

Minotauro descarta aposentadoria e quer revanche com Mir

O tom da conversa subiu quando Dana expulsou o assistente de Wanderlei. “Dida, eu quero que você deixe o show. Você tem que ir embora! Socar o Chael quando ele estava no chão com o Wanderlei, isso não é o que fazemos neste esporte, e você vai ter que deixar o show. Você deveria ser preso, para ser honesto com você.”

Mau exemplo – A confusão no TUF teve repercussão internacional e alguns atletas brasileiros se posicionaram contra a briga. Victor Belfort foi quem mais se sentiu ofendido. “A briga me envergonha. Primeiro, porque o MMA não é briga, é luta de pessoas preparadas dentro de um octógono. Isso é o que eu faço. Eu não brigo, eu luto. Segundo, não há mais espaço para um esporte como o MMA aceitar este comportamento quando a própria modalidade tem regras claras para atitudes antidesportivas fora dos ringues”, afirmou em sua conta no Instagram. Júnior Cigano também lamentou o fato e disse que isso mancha a imagem do esporte.

Continua após a publicidade
Publicidade