Clique e assine a partir de 9,90/mês

Crefisa renova com Palmeiras e projeta título mundial

Presidente da empresa, Leila Pereira anunciou nova injeção de investimentos no clube paulista: 72 milhões de reais só em 2017

Por Da redação - 8 fev 2017, 16h20

A parceria entre Palmeiras e Crefisa continuará firme por mais dois anos. Nesta quarta-feira, a empresa e o atual campeão brasileiro de futebol assinaram a renovação do contrato de patrocínio. O investimento do patrocinador será de 72 milhões de reais em 2017 e 78 milhões em 2018, com bônus por premiações em caso de conquista de títulos. O anúncio foi feito por Leila Pereira, dona da empresa, que já projeta até a conquista do título mundial. 

“Não estamos investindo apenas para conquistar a Libertadores, mas também o Mundial de clubes. Visamos conquistar mais vitórias, campeonatos e proporcionarmos felicidade para os torcedores do Palmeiras. Além disso, também buscamos aumentar a exposição da marca, cada vez mais”, afirmou a proprietária da Crefisa, em coletiva realizada na Academia de Futebol.

A empresária também confirmou que o patrocínio da equipe paulista é o maior não apenas do Brasil, mas da América do Sul. Proprietária da Faculdade das Américas (FAM), que também estampa seu nome nas camisas do Palmeiras, Leila disse que a exposição da marca gerou visibilidade às empresas de seu grupo, refletindo até mesmo no aumento de matrículas na instituição de ensino.

Sobre as contratações do clube, a investidora afirmou que não participa das escolhas. “Sempre adquirimos propriedade de marketing quando colaboramos com o Palmeiras. O que é feito com o dinheiro é decidido pelo presidente, não temos ingerência alguma em escolhas relacionadas a jogadores ou administrativas”, disse.

Continua após a publicidade

Apesar de não participar das escolhas, Leila é candidata à eleição do Conselho Deliberativo do Palmeiras, neste sábado, ao lado de seu marido, José Roberto Lamacchia. Entretanto, durante a entrevista, afirmou que não pretende ser presidente do clube no futuro, por não possuir tempo hábil para gerenciar ambas as organizações.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade