Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: maratonas de Berlim e Nova York são canceladas

Três dos chamados eventos "Major" já foram cancelados devido à pandemia de Covid-19. Maratona de Hamburgo é mantida, mas não deve aceitar brasileiros

Por Da Redação - Atualizado em 24 Jun 2020, 17h34 - Publicado em 24 Jun 2020, 17h13

As maratonas de Nova York, nos Estados Unidos, e de Berlim, na Alemanha, duas das mais tradicionais corridas de rua do mundo, foram oficialmente canceladas nesta quarta-feira, 24, devido à pandemia de coronavírus.

Considerada a mais tradicional do calendário, a maratona de Nova York celebraria em 1º de novembro a sua 50ª edição, com mais de 50.000 inscritos. No entanto, o altíssimo número de contágios na cidade – mais de 200 000 infectados e 17 500 mortos – não deixou outra alternativa à organização.

“O cancelamento é incrivelmente decepcionante para todos os envolvidos, mas foi claramente o curso que precisávamos seguir sob uma perspectiva de saúde e segurança”, disse Michael Capiraso, presidente e CEO da empresa New York Road Runners, que organiza o evento. Os Estados Unidos são o país mais afetado, com 2,4 milhões de casos e quase 123 000 óbitos causados pela Covid-19. 

Apesar de a situação estar mais controlada na Alemanha, com pouco mais de 8 000 mortes e menos de 1 000 novos casos diários de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, a organização da maratona de Berlim, originalmente planejada para 27 de setembro, também optou pelo cancelamento. O governo alemão proíbe aglomerações e avisou que não pretende flexibilizar as medidas atuais tão cedo.

Continua após a publicidade

Nos dois casos, a organização deu aos inscritos algumas possibilidades de reembolso: devolução total do valor da inscrição; a possibilidade de correr a edição de 2021 ou ainda participar de uma maratona “virtual”, cujos detalhes serão revelados em breve, incentivando os participantes a permanecer em forma.

Tanto Nova York quanto Berlim fazem parte dos chamados Majors, as principais maratonas do mundo, que contam ainda com Boston, Chicago, Tóquio e Londres. A de Boston já havia sido cancelada, pela primeira vez em 128 anos de história, devido ao coronavírus.

Os organizadores da Maratona de Chicago, prevista para 11 de outubro, ainda não se posicionaram, enquanto os chefes da de Londres se dizem “esperançosos” de que o evento possa ser realizado em 4 de outubro. A maratona de Tóquio foi realizada em 1º de março, mas apenas com a participação de corredores de elite.

Maratona de Hamburgo mantida, mas sem brasileiros

Continua após a publicidade

Na contramão dos Majors, a organização da Maratona de Hamburgo informou nesta quarta que segue com planos de realizar a competição em 13 de setembro, sob um rígido protocolo sanitário. Cerca de 14 000 atletas são esperados, 10 000 para a maratona (42 km) e 4 000 mil para a meia maratona (21 km).

Ainda segundo a organização, todos passarão por testes e apenas 30 corredores integrarão o pelotão de elite. Atletas de países específicos, em que a pandemia ainda estiver em estágio avançado, serão vetados. Isso significa que atletas vindos do Brasil, dos Estados Unidos, Rússia, e outros, não devem ser aceitos.

Publicidade