Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Corinthians vence Boca e fatura primeira Libertadores

Por Demétrio Vecchioli

São Paulo – Se faltava a Libertadores, não falta mais. A noite do dia 4 de julho de 2012 já entrou para a história corintiana. Foi nesta quarta-feira que o time do técnico Tite venceu o Boca Juniors por 2 a 0, no Pacaembu pintado de preto e branco, e conquistou a América pela primeira vez. O herói foi o atacante Emerson, autor dos dois gols, ambos ao segundo tempo. Num, recebeu passe genial de Danilo e chutou forte. No outro, aproveitou passe errado de Schiavi e tocou no canto.

Ao conquistar o título sul-americano em sua décima tentativa, o Corinthians se iguala aos seus rivais São Paulo, Santos e Palmeiras, a Cruzeiro, Flamengo, Vasco, Grêmio e Internacional como os brasileiros campeões da Libertadores. Mais importante, quebra a sina de não ter títulos continentais – e de forma invicta, algo que ninguém conseguia desde 1978.

Entre os dias 6 e 16 de dezembro, o Corinthians já tem compromisso. É o Mundial de Clubes, a ser jogado no Japão. Em busca do bicampeonato (venceu em 2000), o time brasileiro já tem como adversários o mexicano Monterrey, o neozelandês Auckland City e o inglês Chelsea, campeão da Europa.

O JOGO – Com três minutos, antes de qualquer chance de gol, a primeira confusão. Chicão e Mouche se enroscaram, o árbitro deu falta para o Corinthians, mas os dois levaram cartão amarelo. Parecia que o jogo descambaria para a violência, mas lances semelhantes não voltaram a se repetir no primeiro tempo.

E olha que nervosismo não faltou. Ambos os times erravam passes e, com isso, chegavam pouco ao gol. A primeira chance foi corintiana, aos 11, quando Alex chutou de longe, rasteiro, fraco, mas Orión só conseguiu segurar depois de dar rebote para o meio da área.

Seria a única defesa dele no jogo. Aos 16, Emerson invadiu a área tocando por baixo das pernas de Caruzzo, mas Samoza chegou e fez o corte. Na sequência, o volante e o goleiro se chocaram. Apesar das dores no joelho, Orión ficou mais 14 minutos em campo, até pedir substituição e deixar o gramado chorando.

Até aí, o Boca conseguia equilibrar o jogo. Com o reserva Sosa (goleiro titular do Peñarol no vice-campeonato de 2011), os argentinos recuaram a marcação que antes começava no campo de ataque e deixaram o Corinthians dominar o jogo. Ainda que Sosa mostrasse insegurança, foi só mais um chute a gol: de Alex, aos 39, para fácil intervenção do goleiro.

O segundo tempo começou cheio de bolas paradas levantadas na área. O Boca teve três chances em quatro minutos. O Corinthians, duas seguidas. E aproveitou, numa falta de Riquelme sobre Danilo na lateral direita do ataque alvinegro.

O cronômetro marcava oito minutos quando Alex levantou na área, Jorge Henrique desviou e a bola caiu no meio da área. Ali, Danilo deu o toque de genialidade que dele se espera. De calcanhar, passou para Emerson. A zaga, que ia em direção ao meia, deixou o atacante livre, na cara de Sosa, para matar no peito e fuzilar a bola para o fundo das redes.

O Boca, já com o atacante Cvitanich no lugar do volante Ledesma, partiu para o ataque. Mas levou 18 minutos para criar uma chance real de gol. Riquelme levantou na área, Mouche cabeceou e Cássio fez bonita defesa – a única dele no jogo.

No lance seguinte, o segundo gol. Schiavi, 39 anos, dois títulos de Libertadores no currículo, deu passe bobo nos pés de Emerson. O atacante partiu em velocidade, entrou na área sozinho e bateu no canto esquerdo baixo de Sosa. Era o gol do título, aos 27 minutos do segundo tempo.

Aí já não tinha mais jogo. Cheio de moral, Emerson peitou Caruzzo, pediu tapa na cara, brincou que estava com medo, mordeu o dedo do rival e se tornou ainda mais o personagem do título. Já havia sido dele o passe decisivo para o gol de Romarinho, o que empatou em 1 a 1 o jogo da Bombonera, quarta-feira passada. O atacante, tricampeão brasileiro, acabou a Libertadores como artilheiro corintiano, com cinco gols, um a mais que Danilo, outra estrela da conquista.

FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 2 x 0 BOCA JUNIORS

CORINTHIANS – Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Alex (Douglas) e Danilo; Jorge Henrique (Wallace) e Emerson (Liedson). Técnico – Tite.

BOCA JUNIORS – Órion (Sebastián Sosa); Franco Sosa, Schiavi, Caruzzo e Clemente Rodríguez; Ledesma (Cvitanich), Somoza, Erviti e Riquelme; Mouche (Viatri) e Santiago Silva. Técnico – Julio César Falcioni.

GOL – Emerson, aos 8 e aos 27 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Wilmar Rondán (COL).

CARTÕES AMARELOS – Mouche, Caruzzo, Santiago Silva, Schiavi, Leandro Castán, Jorge Henrique e Chicão.

RENDA e PÚBLICO – Não disponível.

LOCAL – Estádio do Pacaembu, em São Paulo.