Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Corinthians: Tite sugere que Jorge Henrique é reincidente

Técnico diz que atacante não foi afastado por um caso isolado de indisciplina

Por Da Redação 10 Maio 2013, 22h10

O técnico Tite afirmou nesta sexta-feira que o atacante Jorge Henrique não foi afastado pelo Corinthians por causa de um ato isolado de indisciplina. Ele deu a entender que o jogador mentiu para a comissão técnica, ao justificar uma falta no treino do último sábado com um problema familiar, e que não foi a primeira vez que o jogador causou problemas, O treinador afirmou ter conversado com o atleta e ouvido um novo pedido de desculpas, mas sugeriu a Jorge Henrique que repense os rumos de sua carreira e de sua vida privada. “A decisão não foi tomada por um fato isolado. Seria ingênuo, burro da minha parte. Está na mão do Jorge reconduzir a sua vida profissional e pessoal. O torcedor pode ter certeza de que não foi um fato isolado e que o respeito à entidade é muito grande. Se não houver limites, falta respeito ao clube, falta respeito ao torcedor. Se aconteceu, foi porque era necessário. Todos têm o conhecimento. Às vezes, é preciso ter cuidado para divulgar, é preciso presenciar, mas todo o mundo sabe quem comete um erro. É questão de mais dia, menos dia”, disse Tite, defendendo a posição do clube de fazer apenas um comunicado curto sobre o afastamento, sem dar mais detalhes.

Leia também:

Jorge Henrique é afastado pelo Corinthians por indisciplina

Após faxina, São Paulo aposta em reforços duvidosos

De acordo com o jornal Lance! desta sexta-feira, Jorge Henrique passou a noite de sexta para sábado na balada e chegou ao CT do clube sem condições de treinar, mas disse aos dirigentes que teria passado a noite num hospital com o filho, que estaria com dengue. A Fox Sports relata ainda que o jogador se envolveu num leve acidente de trânsito, sem gravidade. Jorge Henrique ainda foi relacionado para o jogo contra o São Paulo, no domingo, mas, depois que Tite descobriu a mentira, decidiu barrar o jogador até mesmo do banco de reservas. Três dias antes, ele havia substituído Danilo, no segundo tempo, na derrota por 1 a 0 para o Boca Juniors, em Buenos Aires, pela Libertadores.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Tite afirmou ainda que ficou chateado por ter de afastar um atleta, mas que não depende apenas dele reintegrar o jogador. “‘O Tite não fecha nem abre portas para ninguém. Quem abre e fecha é o próprio atleta. Está na mão dele a sequência, depende fundamentalmente dele. Isto é um clube de futebol, o técnico não manda em tudo. Sempre olho para o clube onde estou. Vocês devem se lembrar, eu era de opinião de não levar o Adriano (para as partidas). Fui convencido do contrário”, recordou Tite. Em 2011, o técnico relacionou o Imperador para alguns jogos, e ele acabou sendo decisivo ao marcar o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, na penúltima rodada do Campeoato Brasileiro, resultado decisivo para a conquista do título. O presidente, Mário Gobbi, afirmou que ainda é cedo para tomar uma decisão. “É hora de ele refletir, as desculpas foram aceitas. Temos um carinho pelo Jorge Henrique, mas ocorreu um erro. Vamos esperar, ele pode sair, pode ficar mais tempo afastado ou voltar a jogar normalmente”, disse o cartola.

(Com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade