Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Corinthians retribui favor palmeirense para queda internacional

Por Da Redação 29 ago 2011, 09h13

Da mesma forma como foi ajudado pela tabela do Campeonato Paulista, tendo a chance de se recuperar sobre Palmeiras logo após a queda precoce na Copa Libertadores para o Tolima, o Corinthians devolveu o favor ao arquirrival no domingo. Desta vez, pelo Brasileiro, o time alviverde, recém-eliminado da Sul-americana pelo Vasco, foi quem aproveitou o clássico.

A eliminação corintiana no principal torneio continental foi histórica. Foi o primeiro time brasileiro a deixar a Libertadores antes da fase de grupos, e em pleno Pacaembu, para um adversário colombiano de pouquíssima tradição no futebol. Na época, início de fevereiro, o técnico Luiz Felipe Scolari disse que perderia o clássico se fosse para segurar Tite no cargo – a demonstração de pena do palmeirense é, inclusive, uma mágoa guardada pelo corintiano.

O ambiente no Corinthians era de muita pressão depois da derrota para o Tolima. Além de os muros do Parque São Jorge terem sido pichados, os carros de alguns jogadores e integrantes da comissão técnica foram apedrejados no CT Joaquim Grava. A falta de segurança seria, depois, um dos motivos alegados pelo lateral esquerdo Roberto Carlos para ir para o futebol russo.

Mas, no final de semana seguinte à queda precoce na Libertadores, o Corinthians ganhou fôlego. Com boa atuação de Julio Cesar, que fechou a meta, e gol do lateral direito Alessandro, o time deu uma resposta à torcida e salvou o emprego de seu treinador. ‘Vencer aquele clássico era importante para o Corinthians, foi importante. O gol era importante para o Alessandro, e o Julio foi da mesma forma. Mas tudo é menor do que o Corinthians’, minimizou Tite, semanas atrás.

Quase sete meses passados, os dois rivais voltaram a medir forças neste domingo. Não no Pacaembu, mas sim no Prudentão, onde o Palmeiras jamais foi derrotado pelo Corinthians. Pressionada pelo jejum de cinco partidas sem triunfar no Brasileiro e ainda mais por ter ficado fora da Sul-americana, a equipe alviverde aceitou o favor de volta e, de virada, bateu o rival por 2 a 1, com gols do questionado Luan e do estreante Fernandão, para reagir na temporada.

‘Contra o Bahia, nós jogamos bem e empatamos… A gente vinha bem, mas não estava tendo resultado. Tínhamos que manter a cabeça no lugar, que a vitória aconteceria. Estamos super felizes pelo resultado, não só por ter sido sobre um rival, mas também o líder do Brasileiro. Isso nos deixa próximos na tabela, mais motivados e fortalecidos’, comemorou o goleiro Marcos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)