Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Corinthians repete rivais e não consegue vencer Portuguesa: 1 a 1

A Portuguesa brecou a série de vitórias do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Assim como já havia feito contra Palmeiras (empatou por 1 a 1), São Paulo (ganhou por 1 a 0) e Santos (0 a 0), a Lusa dificultou o jogo para o atual campeão da Copa Libertadores da América neste sábado, no Pacaembu. Abriu o placar com o ex-corintiano Héverton no primeiro tempo, mas sofreu 1 a 1 em cobrança de falta de Douglas no segundo.

A igualdade faz a torcida do Corinthians, que festejou o ídolo Dida nesta noite, ainda enxergar o bicampeonato brasileiro como um sonho distante. O time de Tite está na 12colocação na tabela, com 12 pontos ganhos. Já a Portuguesa, que vinha de derrotas para Cruzeiro (2 a 0), Sport (2 a 1) e Atlético-MG (2 a 0), continua sob ameaça de entrar na zona de rebaixamento. Ocupa a 15posição, totalizando 9 pontos.

O jogo – A torcida do Corinthians não parecia muito animada cerca de 40 minutos antes do início da partida deste fim de semana. Bastou o goleiro Dida entrar em campo para realizar aquecimento pela Portuguesa, no entanto, para o público esquecer o frio da noite paulistana e começar a gritar. Pequenas faixas com imagens do ídolo foram abertas na arquibancada amarela do Pacaembu.

Não foi somente o goleiro adversário que entusiasmou os corintianos. Logo no primeiro ataque da equipe dirigida por Tite, o não menos empolgado meia Douglas (autor de dois gols contra o Flamengo) tocou na bola com categoria e alegrou ainda mais a torcida. Assim como Romarinho, à base de velocidade, e Emerson, com a sua pedalada característica na ponta esquerda.

A Portuguesa não se intimidou com a pressão inicial do Corinthians. Ao contrário. Foram dos visitantes as melhores chances do primeiro tempo. Aos 19 minutos, Cássio saiu mal do gol e foi encoberto pelo meio-campista Guilherme (eternamente especulado como reforço corintiano). O goleiro se recuperou no lance e defendeu a cabeçada fraca de Diego Viana – que, sem a bola, alisava constantemente os cabelos.

Do outro lado, o Corinthians não penteava tanto as suas jogadas. Douglas preferia lançar rapidamente Emerson e Romarinho. Sem a companhia de Danilo, entretanto, o meia perdeu uma referência ao seu lado. O substituto Edenílson estava desatento e errava alguns passes como armador. Para Paulinho, a solução encontrada foi chutar de longa distância. A pontaria do volante precisava melhorar.

Aos 29 minutos, a Portuguesa abriu o placar. Moisés recebeu a bola no bico direito da grande área e passou para o ex-corintiano Héverton, livre de marcação, dominar com tranquilidade e concluir na saída de Cássio. O Corinthians ainda tentou reagir logo em seguida, quando Ralf aproveitou uma sobra de bola da meia-lua e bateu. Dida mostrou a segurança dos tempos de Parque São Jorge para espalmar.

Os jogadores do Corinthians desceram para o vestiário, no intervalo, incomodados com a atuação da equipe. ‘Temos que jogar mais’, resumiu Paulinho, emburrado. Tite decidiu entrar em ação. Trocou Edenílson por Jorge Henrique, que vinha sendo poupado, para tentar virar o jogo no segundo tempo. Pela Portuguesa, Geninho manteve a mesma formação que conquistou a vitória parcial na primeira etapa.

O placar não demorou a mudar no segundo tempo. Aos quatro minutos, Douglas usou de uma de suas antigas especialidades para colocar a bola na rede. O meia cobrou falta da ponta esquerda, e a bola passou por Jorge Henrique, enganando a marcação da Portuguesa até entrar no canto. O gol era o que o Corinthians precisava para levantar novamente a sua torcida e passar a acuar os visitantes dentro do Pacaembu.

Em pouco tempo, o time mandante criou oportunidades para anotar o segundo gol. O inspirado Douglas deixou Romarinho livre na grande área, porém o novato chutou por cima do gol. O atacante voltou a aparecer na sequência, com passe para Paulinho, que tentou surpreender Dida com um toque de calcanhar e atrapalhou-se. A evolução corintiana deixou o jogo mais disputado, com faltas e discussão com a arbitragem.

Os dois treinadores também tentaram desempatar a partida, através de substituições. Quando Adílson e Rodriguinho aqueciam para entrar nos lugares de Emerson e Diego Viana, Douglas quase sacramentou a virada a favor do Corinthians. Carregou na intermediária e soltou o pé, acertando o travessão. Romarinho ainda cabeceou uma bola da pequena área – defendida pelo ídolo Dida.