Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Corinthians pega Atlético-PR com a obrigação de vencer

Por Da Redação 13 nov 2011, 08h28

Por Vítor Marques

São Paulo – Pressionado não só pela vitória, mas também pela conquista do título nacional. É assim que o Corinthians entra em campo neste domingo, às 17 horas, contra o Atlético Paranaense, no estádio do Pacaembu, faltando cinco rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro. Ganhar o jogo, algo que se tornou necessidade após a derrota para o lanterna América-MG, é a maneira de o time se manter firme na liderança.

Por que é isso ou a turbulência virá forte. Sinal de que o Corinthians é um caso raro. É a equipe que por mais tempo habitou o primeiro lugar, mas a crise e os questionamentos sempre lhe batem porta. O técnico Tite sabe disso e encontrou uma explicação por essa eterna tensão que ele vem sofrendo desde o ano passado. “Não bateu campeão, tu ficas pressionado. Há uma exigência (no Corinthians) para ser campeão, batemos duas vezes na trave e agora vamos a terceira”.

O treinador garante que não se sente no “fio da navalha”. Mas diz que espera ficar em paz com seu trabalho e que torce isso seja com a conquista do título. Fraquejar na hora decisiva, segundo Tite, também faz mal a alguns jogadores. Boa parte desse elenco fraquejou no Brasileirão de 2010, na pré-Libertadores contra o colombiano Deportes Tolima e na final do Campeonato Paulista, contra o Santos.

Um dos que mais sofrem com isso é o goleiro Júlio César, que mais uma vez se viu criticado por parte da diretoria depois que sofreu gol de falta nos minutos finais do jogo contra o América-MG. Tite teve uma conversa com o jogador, não considera que ele tenha falhado, mas entende a razão de tantas dúvidas sobre o goleiro de 27 anos.

Continua após a publicidade

São poucos os jogadores do elenco corintiano que já foram campeões brasileiros. Danilo, pelo São Paulo, e Emerson, vencedor com Flamengo e Fluminense, são exceções em um time que alçou à notoriedade Paulinho, Ralf, como já disse Tite, além de Leandro Castán e Wallace.

Até mesmo Liedson, artilheiro por onde passou, não tem um título nacional de peso em sua longa carreira.

E há um outro problema. O jogador com mais bagagem, campeão brasileiro, campeão pela seleção, já não é mais aquele: Adriano volta ao banco de reservas neste domingo, em uma nova tentativa de um recomeço. E ninguém sabe se dará tempo para o jogador fazer a diferença em tão pouco tempo, colocam até em cheque sua renovação de contrato, que termina em junho.

Para vencer o Atlético, de Antônio Lopes, que luta para não cair, a bomba caiu para Emerson, que só vai entrar campo porque o clube conseguiu um efeito suspensivo. Ele vai entrar no lugar no time no lugar de Alex, machucado, e formar trio de ataque ao lado de Willian e Liedson.

Pelas contas do Corinthians, para ser campeão, é preciso vencer quatro dos cinco jogos. Há margem para um tropeço, talvez nos jogos fora de casa (Ceará e contra o perigoso Figueirense). Não neste domingo no Pacaembu lotado.

Continua após a publicidade
Publicidade