Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Corinthians joga em casa em ‘ensaio’ para Libertadores

Por Da Redação 7 jun 2012, 08h40

Por Fábio Hecico

São Paulo – Esta quinta-feira é o dia do grande ensaio do Corinthians para pegar o Santos nas semifinais da Copa Libertadores. Diante do Figueirense, às 21 horas, no Pacaembu, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, o time titular entra em campo pela última vez antes do clássico – os reservas encaram o Grêmio, no Sul, no próximo domingo – para mostrar à torcida e ao técnico Tite que os 10 dias de preparação foram suficientes para resgatar o bom futebol e o poder ofensivo.

A ordem é sufocar desde o início, buscar gols para apagar a má impressão dos últimos jogos de que o time desaprendeu a fazer gols (foi apenas um nos últimos quatro jogos). Vencer bem, somar os primeiros pontos no Nacional se faz necessário para a equipe chegar com moral diante dos santistas no jogo de ida, na próxima quarta, na Vila Belmiro.

Tite mais uma vez aposta em seu quarteto ofensivo formado por Alex e Danilo, que se revezarão na armação e como centroavante, com Jorge Henrique e Emerson aberto nas beiradas. Quer vê-los bem, soltos, ousados, para o time reerguer sua confiança, um pouco abalada com alguns tropeços, principalmente as duas derrotas no Brasileirão e o sumiço dos gols – há seis jogos que um atacante não marca.

“Ir bem no Brasileiro dará moral, o time chegará mais fortalecido no seu conjunto e com confiança. Esses dois fatores são importantes e, independentemente da competição, uma empresta à outra”, disse o técnico Tite, ciente de que uma vitória nesta quinta será fundamental para a ida à Vila Belmiro. O único desfalque será o lateral-esquerdo Fábio Santos, que está suspenso – Ramon entra em seu lugar.

E o comandante esbanja confiança em uma grande apresentação no Pacaembu, que sirva de recado aos santistas. Tudo para baixar o atrevimento de alguns dos rivais que até já colocaram sua equipe na final da América. A versatilidade, com movimentação constante, será uma das estratégias para evitar que a surpresa de 2011 – perdeu por 2 a 0 – se repita. Na frente, ninguém terá posição fixa.

Continua após a publicidade
Publicidade