Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Copa do Brasil: saiba quais marcas estão em jogo na final

Em vantagem, Atlético quer 1º título, que evitará tríplice coroa do rival Cruzeiro. Há só uma certeza: que Minas Gerais igualará o Rio de Janeiro em conquistas

Por Da Redação 26 nov 2014, 14h21

Seja qual for o resultado da decisão desta quarta-feira, Minas Gerais vai se igualar ao Rio de Janeiro em número de títulos da Copa do Brasil, com cinco troféus para cada Estado. O Atlético-MG, porém, quer evitar que o rival Cruzeiro atinja o feito sozinho – e, de quebra, se isole como o maior vencedor da competição. Com quatro títulos (1993, 1996, 2000 e 2003), a equipe azul está empatada com o Grêmio entre os maiores campeões, enquanto o Atlético vai a campo em busca de seu primeiro título. Além de quebrar a hegemonia do Cruzeiro na competição, o Atlético-MG tem mais uma motivação especial para o grande clássico: evitar que a metade azul do estado comemore a segunda tríplice coroa de sua história – a primeira aconteceu em 2003, com os títulos do Mineiro, da Copa do Brasil e do Brasileirão. Para derrubar todas essas marcas, o Atlético pode até perder por um gol de diferença, já que venceu o jogo de ida por 2 a 0, no Independência. O clássico mineiro mais importante de todos os tempos começa às 22 horas (de Brasília), no Mineirão.

Leia também:

Disputas entre os cartolas esfriam maior clássico de Minas

Campo do Mineirão preocupa para 2ª final da Copa do Brasil

Campeão Cruzeiro encurta festa pensando na tríplice coroa

Campeões por Estado

1º: São Paulo (8 títulos)

3 do Corinthians, 2 do Palmeiras, 1 do Santos, 1 do Santo André e 1 do Paulista de Jundiaí

2º: Rio Grande do Sul (6 títulos)

4 do Grêmio, 1 do Inter e 1 do Juventude

3º: Rio de Janeiro (5 títulos)

3 do Flamengo, 1 do Vasco e 1 do Fluminense

Continua após a publicidade

4º: Minas Gerais (4 títulos)

Todos do Cruzeiro

5º: Pernambuco e Santa Catarina (1 título)

Sport e Criciúma

Além dos quatro títulos, o Cruzeiro também tem um vice-campeonato da Copa do Brasil em seu currículo: foi derrotado em 1998, no último minuto da decisão contra o Palmeiras, no Morumbi. Curiosamente, o técnico da equipe era Levir Culpi, adversário da final desta noite. Por outro lado, o Atlético, clube que mais participou do torneio (25 de 26 edições), jamais havia chegado à decisão. Seus melhores resultados foram as semifinais de 2000 e 2002, perdidas para São Paulo e Brasiliense, respectivamente. Mas se a vontade dos atleticanos é frear a empolgação do rival, que conquistou o bicampeonato seguido do Brasileirão no último domingo, pelo lado do Cruzeiro o sonho da segunda tríplice coroa é uma motivação mais que especial. “Esse feito ficará marcado nacionalmente e internacionalmente. Só o Cruzeiro e o Bayern de Munique têm a tríplice coroa”, provocou o meia cruzeirense Ricardo Goulart antes da final.

Mas se psicologicamente o momento do Cruzeiro é melhor, fisicamente o Atlético chega mais inteiro à partida desta quarta. Com a equipe fora da disputa pelo título brasileiro, o técnico Levir Culpi poupou titulares no fim de semana, enquanto o Cruzeiro se arrastou para vencer o Brasileirão debaixo de um temporal contra o Goiás. Apesar de ter ficado com o título, o Cruzeiro perdeu duas vezes para o Atlético no Brasileirão, fato que anima os alvinegros. “A gente sabe jogar contra o Cruzeiro. Isso está provado. Não temos de jogar com o resultado. Nossa equipe é forte e tem totais condições de sair com a vitória. Não tem de esperar. Temos de jogar para cima porque é nosso estilo de jogo”, afirmou o atacante Luan, destaque do Atlético na campanha.

Leia também:

Atlético-MG vence o Cruzeiro e abre vantagem na decisão

Clássico mineiro será oitavo dérbi a decidir título nacional

Levir x Marcelo: um duelo particular para evitar ser ‘trivice’

Escalações – Tanto Levir Culpi quanto Marcelo Oliveira fecharam parte dos treinos de terça-feira à imprensa. O Atlético poderá contar com praticamente todos os atletas que vêm atuando nos últimos jogos. Recuperado de lesão, Guilherme volta a ficar à disposição. A única baixa é o volante Josué, que vai cumprir suspensão – Rafael Carioca entra na equipe. Já o Cruzeiro não teve condições de preservar as principais estrelas, e sofre com o desgaste pelo excesso de partidas. Marcelo Oliveira tem problemas para escalar a equipe na lateral direita, já que Ceará e Mayke, que são atletas da posição, estão lesionados. O campeão brasileiro deve entrar em campo com Fábio; Willian Farias (ou Henrique), Léo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique (ou Nilton), Lucas Silva, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart; Willian e Marcelo Moreno. Já o Atlético buscará o título inédito com Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca, Dátolo e Luan; Diego Tardelli e Carlos. O árbitro da partida será o paulista Luiz Flavio de Oliveira.

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade