Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Conmebol nega vaga a ‘convidados’ na nova Libertadores

Presidente Alejandro Domínguez também garantiu que novo formato da competição não afetará o calendário do futebol brasileiro

Por da redação Atualizado em 28 set 2016, 10h58 - Publicado em 28 set 2016, 10h52

A Conmebol espantou rapidamente o rumor mais preocupante em relação à ampliação da Copa Libertadores: a de que poderiam haver clubes convidados. Em sua conta no Twitter, o presidente da entidade que comanda o futebol sul-americano, o paraguaio Alejandro Domínguez, garantiu que as vagas serão conquistadas em campo. “Na Copa Libertadores não há “convidados”. Nos 11 países se ganham as vagas”, escreveu o dirigente na noite desta terça-feira.

Assim que as primeiras mudanças na Libertadores foram anunciadas, jornais sul-americanos, especialmente os argentinos, especularam sobre a possibilidade de as novas vagas serem preenchidas por meio de convites. Caso o critério adotado fosse o ranking da Conmebol, Boca Juniors e River Plate certamente estariam classificados, já que lideram a lista. Por enquanto, os dois principais clubes argentinos estão fora da edição de 2017 – San Lorenzo, Lanús, Estudiantes e Godoy Cruz já garantiram vaga, restando apenas àquela dedicada ao campeão da Copa Argentina.

Leia também:
Conmebol tenta salvar Libertadores – mas pode piorá-la
Arbitragem e clubes brasileiros: duas vergonhas na Libertadores
Liga dos Campeões paga quase dez vezes mais que Libertadores

O próprio Boca Juniors, porém, descartou a possibilidade de entrar por convite. “O Boca não quer entrar pela janela. Nunca quero entrar assim. Tem que fazê-lo ganhando a Copa Argentina”, disse o diretor de futebol do clube, Carlos Crespi, ao jornal Olé. Entre os clubes brasileiros, o principal beneficiado seria o Cruzeiro, quarto colocado do ranking e melhor entre os brasileiros.

Ainda em seu Twitter, Alejandro Domínguez garantiu que “o novo calendário da Libertadores e da Copa Sul-Americana é compatível com o calendário do futebol brasileiro”. Ainda não está claro, porém, se o calendário nacional será mantido (com a reta final da Copa do Brasil ocorrendo simultaneamente às decisões da Libertadores e às últimas rodadas do Brasileirão).

Por enquanto, só está definido que a Libertadores ocorrerá entre fevereiro e novembro, em 42 datas (e não 27, como vem ocorrendo), e que os 10 clubes eliminados das oitavas de final disputarão a Copa Sul-Americana (seguindo o formato da Liga dos Campeões e da Liga Europa). Domínguez também já sinalizou que a final será disputada em jogo único e campo neutro e que o número de participantes será ampliado, mas estas mudanças só serão oficializadas após nova reunião do Comitê Executivo, dentro de três semanas.

Continua após a publicidade

Publicidade