Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Competição deve recomeçar e Medina pode até ser campeão nesta quinta

Caso os concorrentes Fanning e Slater percam, brasileiro levará título inédito

Por Da Redação 18 dez 2014, 08h43

O brasileiro Gabriel Medina vem contado as horas para voltar à disputa do Pipe Masters, a última etapa do mundial de surfe, no Havaí, fato que deve acontecer nesta quinta-feira. Desde o início da competição, no dia 8, o líder do ranking mundial só entrou no mar uma única vez para competir. Na sexta passada, ele venceu a sua bateria, saltou para a terceira fase e depois disso não surfou mais (apenas em treinamentos), o que aumentou ainda mais a sua ansiedade pela disputa do título inédito. A terceira etapa em Pipeline está suspensa desde sábado, devido às más condições do mar, mas, de acordo com as previsões da organização, uma nova ondulação é esperada para esta tarde.

Desta forma, é possível que Medina se torne o primeiro brasileiro campeão mundial de surfe ainda nesta quinta. Para isso, ele precisa vencer sua bateria contra o havaiano Dusty Payne e torcer para que seus concorrentes ao título, o australiano Mick Fanning e o americano Kelly Slater, sejam eliminados pelo francês Jeremy Flores e pelo brasileiro Alejo Muniz, respectivamente. O chamado da organização será realizado às 15h30 (de Brasília).

Leia também:

Fator psicológico pode ser decisivo para Gabriel Medina

Bateria de Medina bate recorde de audiência no surfe

Perfil: Gabriel Medina, um Guga sobre as ondas

Medina vence na estreia em Pipeline e fica mais perto do título

O que Medina precisa para ser campeão no Havaí:

* Se o brasileiro perder na segunda (25º) ou na terceira fase (13º) em Pipeline, precisa torcer para Slater não vencer a etapa, e Fanning não chegar às semifinais. Neste caso, se Fanning cair nas quartas, eles empatarão em pontos e farão uma bateria homem a homem para decidir o título.

* Se perder na quinta fase (9º), Medina tem que torcer para Mick não chegar à final e para Slater não vencer a etapa.

* Se perder nas quartas (5º) ou nas semis (3º), tem que torcer para Mick não vencer a etapa. Neste caso, Kelly Slater não poderia alcançá-lo.

*Se chegar à final, conquista o título, independentemente de qualquer outro resultado dos concorrentes.

Para Charles Saldanha, padrasto – é tratado como pai pelo surfista – e técnico de Medina, a ansiedade vivida por Medina nos últimos dias é normal. O garoto de São Sebastião, porém, vem recebendo acompanhamento psicológico para lidar com o momento de espera. “Ele está com energia sobrando, conseguiu acumular bastante, então descarrega isso na água”, explicou Charles, que garante que o filho está pronto para a disputa. “Ele sempre entra quente na bateria”, disse.

Na quarta-feira, Medina treinou mais uma vez e se preparou para a disputa. Ele lidera o ranking mundial com uma certa folga sobre Fanning e Slater, mas sabe que uma eliminação precoce nesta quinta-feira encheria os veteranos adversários de confiança para as fases seguintes.

Continua após a publicidade

O Pipe Masters terá, obrigatoriamente que terminar neste sábado, dia 20. Caso as ondas não melhorem, as etapas podem até ser transferidas para uma outra praia do Havaí. Além de Medina, outros quatro brasileiros seguem vivos na competição: Jadson André, Miguel Pupo, Filipe Toledo e Alejo Muniz.

Baterias da 3ª fase:

1. John John Florence x Adam Melling

2. Owen Wright x Fred Patacchia

3. Michel Bourez x Matt Wilkinson

4. Josh Kerr x Jadson André

5. Miguel Pupo x Filipe Toledo

6. Gabriel Medina x Dusty Payne

7. Kolohe Andino x Julian Wilson

8. Bede Durbidge x Adrian Buchan

9. Mick Fanning x Jeremy Flores

10. Joel Parkinson x Sebastien Zietz

11. Nat Young x Kai Otton

12. Kelly Slater x Alejo Muniz

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade