Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Como a Rio-2016 viu Londres-2012 (e o que deverá imitar)

Time formado por mais de cem observadores elencou aspectos bem-sucedidos dos Jogos na capital britânica - e indicou quais os exemplos a seguir no Brasil

“Apesar dos imprevistos que acontecem num evento dessa dimensão, os organizadores de Londres tiveram a flexibilidade e agilidade necessárias para corrigir os problemas”, elogiou a EOM

A quatro anos da Olimpíada de 2016, a preocupação dos organizadores dos Jogos do Rio de Janeiro está centrada nas grandes obras de infraestrutura da cidade, como a construção do Parque Olímpico, os projetos das futuras arenas esportivas, as melhorias no sistema de transporte público e a ampliação da rede hoteleira. Alguns pequenos detalhes, no entanto, podem fazer uma enorme diferença no evento. E esses aspectos já vinham sendo planejados antes mesmo do início dos Jogos de Londres, neste ano. Para isso, o Rio enviou à capital britânica uma equipe de observadores cuja missão era colher bons exemplos de como fazer a competição transcorrer de forma tranquila e eficiente. Os “olheiros” fizeram uma centena de visitas ao país antes e durante a Olimpíada, observando instalações esportivas, o acesso de deficientes, a sinalização para os visitantes, como foi organizado o trabalho dos voluntários, o sistema de transporte e até a programação cultural pararela aos Jogos.

Leia também:

Leia também:

Ser ou não ser voluntário em Copa e Olimpíada no Brasil?

O raciocínio é: o que é bom pode (e deve) ser imitado, e os erros não podem se repetir daqui a quatro anos. No quesito segurança, por exemplo, o projeto inicial de Londres fracassou e foi preciso acionar um plano B – que havia sido cuidadosamente desenvolvido. “Apesar dos imprevistos naturais que acontecem num evento da dimensão dos Jogos Olímpicos, os organizadores de Londres-2012 tiveram a flexibilidade e agilidade necessárias para ajustar e corrigir os problemas, assegurando o sucesso”, observa a Empresa Olímpica Municipal (EOM). Os observadores listaram nove quesitos apontados como grandes êxitos de Londres, apontando esses aspectos da organização como exemplos que podem ser importados para o Rio. “Esses itens servirão como base na organização dos Jogos de 2016”, enfatiza a EOM, levando em consideração, é claro, a especificidade de cada cidade e possíveis adaptações dessas ideias (confira no quadro a seguir).

LEIA TAMBÉM:

Maria Silvia Bastos Marques: “O Rio inteiro vai ser sacudido”

‘Aprendemos muito’, diz Paes. ‘Vai dar certo’, aposta Boris Johnson

Com rapidez olímpica, Londres mostra ter poder de reação

Orçamento da Olimpíada do Rio vai demorar mais um ano

Londres, estrondoso sucesso, se despede, ‘feliz e gloriosa’

Como funciona o BRT, principal transporte da Olimpíada de 2016