Clique e assine a partir de 9,90/mês

Comitê Paralímpico adia Mundiais após terremoto no México

Competições de natação e de halterofilismo estavam marcadas para 30 de setembro, na Cidade do México

Por Da redação - Atualizado em 20 set 2017, 11h12 - Publicado em 20 set 2017, 11h09

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês), presidido pelo brasileiro Andrew Parsons, anunciou nesta quarta-feira o adiamento dos Mundiais Paralímpicos de natação e de halterofilismo, que estavam previstos começar em 30 de setembro na Cidade do México, em razão dos efeitos devastadores do terremoto ocorrido no país na última terça.

O IPC explicou que a decisão foi tomada após uma avaliação da situação atual da Cidade do México após contatos com o Comitê Organizador Local e o governo local. O terremoto de magnitude 7,1 graus na escala Richter causou centenas de mortes e provocou grandes danos em edifícios e na infraestrutura da Cidade do México.

Os locais onde as competições seriam realizadas tiveram apenas pequenos danos, mas uma avaliação estrutural total precisará ser realizada. Além disso, alguns dos hotéis que hospedariam atletas foram gravemente danificados.

A previsão dos organizadores era de que 1.400 pessoas envolvidas nas competições iriam para a Cidade do México para os Mundiais Paralímpicos de natação e de halterofilismo, que seriam realizados de 30 de setembro a 6 de outubro. A equipe brasileira de natação paralímpica viajaria na noite da última terça-feira para a competição, mas o embarque foi adiado após o terremoto.

Continua após a publicidade

“Como resultado desta tragédia, concordamos plenamente que o foco imediato das autoridades mexicanas deve ser priorizar a recuperação e a reconstrução para o povo do México e não organizar dois grandes eventos esportivos internacionais. Assim, acertamos com o Comitê Organizador Local e o governo da Cidade do México para adiar os Campeonatos Mundiais Paralímpicos de Natação e de Halterofilismo até novo aviso”, afirmou Andrew Parsons, presidente do IPC.

Ainda não há uma definição sobre uma nova data para os Mundiais. Além disso, o IPC avaliará a possibilidade de mudar a sede das competições. A entidade destaca, porém, que o seu foco está em ajudar as delegações que já estavam no México.

“Nossa prioridade imediata agora é trabalhar com as delegações que estão na Cidade do México para garantir sua partida segura. Então avaliaremos se podemos reorganizar esses campeonatos em um futuro próximo na Cidade do México ou procurar alternativas”, Parsons.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade