Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Começa o Mundial de Clubes – e a Fifa torce por equilíbrio

Mas não deve haver novidade na final: Bayern e Atlético são grandes favoritos

Por Da Redação 11 dez 2013, 06h48

“Nosso objetivo é tornar a competição ainda mais equilibrada e acredito de verdade que o Marrocos possa sediar o melhor Mundial de Clubes de todos os tempos”, disse Blatter

O Mundial de Clubes, que pela primeira vez será disputado no Marrocos, começa nesta quarta-feira – e a expectativa, pelo menos entre os cartolas da Fifa, é de um torneio mais equilibrado. Inegavelmente, Atlético-MG e Bayern de Munique são os grandes favoritos ao título. Caso não ocorra nenhuma grande surpresa, devem fazer a decisão. Os demais participantes, porém, dizem que não querem ser apenas figurantes – e os organizadores torcem para que o nível do torneio seja, de fato, maior neste ano. Além dos brasileiros e alemães, o torneio terá times experientes, como o Monterrey, do México, e o Al Ahly, do Egito, que a cada ano que passa parecem fazer jogos mais duros contra os sul-americanos e europeus. Isso sem falar no Guangzhou Evergrande, da China, que fez grandes investimentos e levou ao Marrocos um elenco razoável. O país-sede será representado pelo Raja Casablanca, outro time que pode criar certo perigo.

Leia também:

Fifa fará homenagem a Nelson Mandela antes das partidas

Torcida do Atlético-MG faz festa no aeroporto antes do Mundial

Continua após a publicidade

Bayern confirma desfalque de Robben no Mundial de Clubes

Atlético-MG divulga sua lista de convocados para a competição

“Acredito que estamos conseguindo melhorar a cada ano o nível da competição e isso já se refletiu em 2010, quando não tivemos na final um sul-americano”, disse o presidente da Fifa, Joseph Blatter, em referência ao torneio em que o Mazembe tirou o Inter da decisão. “Nosso objetivo é tornar a competição ainda mais equilibrada e acredito de verdade que o Marrocos possa sediar o melhor Mundial de Clubes de todos os tempos.” No primeiro jogo, porém, ninguém deve esperar jogadas de tirar o fôlego e um espetáculo de primeira: a abertura da competição será entre o Raja Casablanca e o fraco Auckland City, da Nova Zelândia, às 17h30 (de Brasília), no Estádio Nacional de Agadir. O ganhador vai cruzar com o Monterrey, e daí sairá o rival do Atlético-MG nas semifinais. Contando com o apoio de seus torcedores, o Raja não deverá ter dificuldades para superar os neozelandeses na partida de estreia da competição.

Os brasileiros conquistaram o Mundial de Clubes em dez ocasiões. Nas duas primeiras, a taça chegou ao país nas mãos do Santos de Pelé, que em 1962 e 1963 superou Benfica e Milan, respectivamente, na final. Dezoito anos depois, o Flamengo de Zico derrotou o Liverpool e recuperou o troféu para o Brasil. Dois anos mais tarde foi a vez do Grêmio, liderado por Renato Gaúcho. O time gaúcho superou o Hamburgo, da Alemanha. Em seguida foi a vez do São Paulo de Telê Santana, que bateu o Barcelona em 1992 e o Milan em 1993. No atual modelo de disputa, com a presença de todos os continentes, o Brasil é o grande vencedor. Em 2000, no Maracanã, o Corinthians superou o Vasco numa decisão brasileira. Em 2005 foi a vez do São Paulo de Rogério Ceni superar o Liverpool. Um ano depois, em 2006, o Internacional superou o poderoso Barcelona. E no ano passado foi a vez o Corinthians contra o Chelsea.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade