Clique e assine com 88% de desconto

Com um a menos, Figueirense segura empate contra a Ponte Preta

Por Da Redação - 10 jun 2012, 20h27

A invencibilidade do Figueirense segue irretocável, mas à custa de muito esforço. No final da tarde deste domingo, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópólis, o time catarinense empatou sem gols diante da Ponte Preta, em partida válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. ‘Guerreiro’, como a torcida fez questão de gritar após o apito final, o Figueira superou a expulsão do zagueiro Sandro, aos 18 minutos do segundo temp

Combativo e com mais posse de bola na etapa inicial, o Figueirense deixou muitos espaços no segundo tempo e só não levou o gol que definiria o placar em virtude da boa atuação do goleiro Ricardo. Do lado da Ponte, Edson Bastos também teve atuação de destaque, evitando que as poucas chances do Figueira revertessem em gols.

Com o ponto somado, o Figueirense mantém a invencibilidade e permanece na oitava colocação, com seis pontos, enquanto a Macaca chega a três pontos e pula para o 14lugar. Na próxima rodada, o time catarinense visita o Cruzeiro em Minas Gerais e os paulistas duelam diante do Corinthians, no Moisés Lucarelli.

O Jogo – O duelo de alvinegros foi totalmente equilibrado, do primeiro ao último minuto. Enquanto a Ponte Preta puxou o primeiro ataque logo que o pernambucano Claudio Mercante Junior trilou o apito inicial, com um chute de Baraka direto da intermediária, o invicto Figueira arriscou no minuto seguinte, quando Caio sofreu falta, Ronny fez o levantamento na área e o ex-botafoguense quase alcançou, o que poderia mudar a história do jogo.

Publicidade

A principal aposta da equipe catarinense eram os contra-ataques apostando na velocidade de Caio, que pecava na hora do último passe. Ao invés de servir um companheiro mais bem posicionado, o atacante preferia apostas na jogada individual e, por isso, o Figueira desperdiçou algumas boas chances nos primeiros minutos de bola rolando.

Aos seis minutos, Pablo disparou para cima de João Paulo e fez o passe preciso para Caio, que nem olhou para Júlio César do outro lado e bateu direto, com a bola explodindo nas costas de Thiago Alves, bem posicionado. Na sequência desta chance do Figueirense, a Ponte teve a sua primeira com o experiente Caio, que bateu falta na cabeça de João Paulo, mas o lateral acertou pela linha de fundo, à esquerda de Ricardo.

Melhor na partida, o Figueirense reagiu no minuto seguinte em cobrança de falta forte de Júlio César, também à esquerda de Edson Bastos. O novo goleiro da Ponte, que já tem passagem pelo Figueirense, fez sua segunda partida pela nova equipe e mostrou segurança para evitar a abertura do placar ainda no primeiro tempo.

As melhores oportunidades, entretanto, ainda estavam por vir, com André Luis, que errou a cabeceada após cruzamento de Tony, aos 18 minutos, e um lance em que o goleiro da Ponte quase se complicou ao defender uma bola cruzada despretensiosamente com um tapa para o meio da área. Antes que os jogadores de frente do time da casa pudessem chegar, Edson Bastos se recuperou e aliviou o perigo. Aos 37, foi a vez de o Figueirense errar na saída de bola e Tony bater forte, em cima do goleiro Ricardo.

Publicidade

A dupla de zaga formada por João Paulo e Sandro não se entendia nada bem no campo de defesa do Figueirense e a Ponte Preta teve nova chance, aos 39 minutos, quando o primeiro não acertou o passe na saída de bola, Tony fez o desarme e serviu Caio, mas o meio-campista atirou pela linha de fundo, sem perigo ao gol de Ricardo. Ainda houve tempo para o sempre perigoso Júlio César fazer outra tentativa em cobrança de falta, mas errar o alvo.

Logo no primeiro minuto do segundo tempo, Luiz Fernando recebeu cruzamento preciso e deu um sem pulo para cima de Edson Bastos, que espalmou pela linha de fundo. E o Figueirense manteve a pressão cinco minutos depois, com cruzamento de Guilherme Santos e cabeceada de Aloísio por cima do gol ponte-pretano.

Um único lance, no entanto, definiria o panorama dos últimos minutos de bola rolando. Aos 18 minutos, Somália iniciou contra-ataque com passe em profundidade para André Luis, que foi derrubado por Sandro. Como era o último homem da defesa, o zagueiro do Figueirense foi expulso. No mesmo momento, Gilson Kleina já acionou Ricardinho na vaga de Cicinho e colocou a Ponte para cima.

Os lances que se seguiram à expulsão foram de pressão da Ponte Preta, principalmente nos tiros de fora da área de Caio, e defesa total do time da casa, que sentiu a expulsão e não conseguiu reagir.

Publicidade