Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Com ou sem ondas, Mundial de surfe deve ser encerrado nesta sexta

Brasileiro Gabriel Medina briga por título inédito contra lendas do surfe

Por Da Redação 19 dez 2014, 08h12

A ansiedade do brasileiro Gabriel Medina pela disputa do título inédito do Mundial de Surfe deve, finalmente, terminar nesta sexta-feira. Onze dias depois do início, o Pipe Masters, na praia de Pipeline, no Havaí, chegou ao seu penúltimo dia de competições em situação crítica: devido às más condições das ondas nas últimas semanas, ainda restam 23 baterias a ser realizadas. Como o campeonato deve, obrigatoriamente, terminar neste sábado, a intenção da ASP (Associação dos Surfistas Profissionais) é finalizar o máximo de baterias possíveis até o fim da tarde no Havaí (noite no Brasil), com ou sem boas ondas.

A previsão dos organizadores é de mar ainda menos propício para competição no sábado. Eles descartam as hipóteses de o prazo final ser estendido ou de a etapa ser anulada, o que daria o título diretamente para Medina. Líder do ranking mundial, o brasileiro Gabriel Medina disputa o título contra duas lendas do esporte, o australiano Mick Fanning e o americano Kelly Slater.

Leia também:

Fator psicológico pode ser decisivo para Gabriel Medina

Bateria de Medina bate recorde de audiência no surfe

Perfil: Gabriel Medina, um Guga sobre as ondas

Medina vence na estreia em Pipeline e fica mais perto do título

Continua após a publicidade

O que Medina precisa para ser campeão no Havaí:

* Se o brasileiro perder na segunda (25º) ou na terceira fase (13º) em Pipeline, precisa torcer para Slater não vencer a etapa, e Fanning não chegar às semifinais. Neste caso, se Fanning cair nas quartas, eles empatarão em pontos e farão uma bateria homem a homem para decidir o título.

* Se perder na quinta fase (9º), Medina tem que torcer para Mick não chegar à final e para Slater não vencer a etapa.

* Se perder nas quartas (5º) ou nas semis (3º), tem que torcer para Mick não vencer a etapa. Neste caso, Kelly Slater não poderia alcançá-lo.

*Se chegar à final, conquista o título, independentemente de qualquer outro resultado dos concorrentes.

Em 2013, o Pipe Masters terminou nos primeiros quatro dias da janela de disputa, bem diferente do que ocorreu na etapa deste ano. Nesta quinta, a condição do mar frustrou a organização e os surfistas. Pipeline amanheceu uma verdadeira piscina e apenas na praia vizinha, Off the Wall, havia algumas ondas, ainda assim, bem pequenas.

Gabriel Medina estará na sexta bateria. O comissário do evento Kieren Perrow alertou sobre a possibilidade de todas as 23 baterias restantes serem realizadas nesta sexta. “Definitivamente o mar vai subir e é exatamente isso que vamos fazer para ter a chance de acabar logo”, avisou Kieren Perrow, comissário do evento.

Se nesta sexta o evento for iniciado como de costume, às 8h locais (16h no horário de Brasília), Gabriel Medina deve entrar na água vinte minutos depois para decidir o seu futuro contra o havaiano Dusty Payne. Sua bateria é a segunda do dia, mas na sequência virão Fanning e depois Slater. Caso os adversários percam nesta fase, Medina já será coroado campeão de forma antecipada.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade